Um estudo da Unicef revelou que Portugal está entre os 20 melhores países europeus para constituir família.

"Portugal situa-se em 19º lugar na tabela de classificação geral dos 35 países da UE/OCDE para todas as dimensões relativas às desigualdades acima mencionadas, imediatamente após os EUA e um lugar acima da Islândia" 

Os países escandinavos lideram as listas de países da Europa onde as condições laborais, de segurança, saúde e educação são melhores para casar e ter filhos.

Em questões de saúde, Portugal está entre os melhores. No acesso aos cuidados de saúde, os lugares cimeiros da análise da Unicef continuam ocupados por países do norte e centro da Europa. Neste caso, a Áustria é país com maior poder de resposta às solicitações de cuidados de saúde e o Portugal ocupa o sétimo lugar. A Turquia e Israel estão no fundo da tabela com os piores apoios e respostas clínicas e hospitalares aos cidadãos.

Na educação, o aproveitamento escolar das crianças e jovens volta a ser melhor na Escandinávia, com destaque para a Estónia, e a maior lacuna verifica-se no México. Aqui, Portugal está a meio da tabela composta por 39 países de todo o mundo. Nota negativa para o facto de ser aquele país em que as desigualdades em termos de alimentação saudável (consumo de fruta e vegetais) mais aumentaram (6,6 pontos percentuais entre 2002 e 2014). A razão para esta mudança é a descida acentuada dos 10% das crianças na base da distribuição.

Quanto aos salários, Portugal fica mal no quadro. A Noruega é o país com melhor rendimento salarial e Portugal ocupa o 33.º lugar, numa tabela onde 41 países foram analisados.

Faz notar a Unicef Portugal que as disparidades de rendimento aumentaram durante a crise financeira na Europa e durante o período da maior austeridade que o país viveu durante o resgate da troika: "No período entre 2008 e 2013, as disparidades de rendimento aumentaram 5,4 pontos percentuais, dado que o rendimento dos 10% de crianças na base da distribuição diminuiu mais rapidamente do que o da mediana. O fosso diminuiu ligeiramente em 3,6% em virtude das transferências sociais".

Por outro lado, conclui o mesmo estudo, a Roménia é o país da Europa com onde as famílias ganham menos dinheiro. Nas crianças e face aos rendimentos dos agregados, o estudo da Unicef revela ainda que a Finlândia é o país com menor taxa de pobreza infantil e o Israel a par do Chile são as nações onde as crianças são mais pobres.

Os graus de satisfação das pessoas com o estilo de vida de cada país também foram alvo de escrutínio. É nos Países Baixos, no norte da Europa, que as pessoas se queixam menos da vida que levam e a Turquia é a nação que causa maior insatisfação nos seus cidadãos.