Portugal é o terceiro país da Europa ocidental com maior percentagem de raparigas obesas e com excesso de peso, problema que afeta 27,1% das jovens portuguesas, revela um estudo publicado esta quinta-feira pela revista Lancet.

O estudo conclui que o número mundial de pessoas obesas e com excesso de peso aumentou de 857 milhões em 1980 para 2,1 mil milhões em 2013 e o problema continua a aumentar.

Nos últimos 33 anos, escrevem os investigadores, a taxa de adultos obesos e com excesso de peso aumentou 28%, enquanto a das crianças subiu 47%.

Na Europa Ocidental, revelam os dados agora publicados, referentes a 2013, a obesidade e o excesso de peso afetam em média 24,2% dos rapazes até aos 20 anos, 22% das raparigas, 61,3% dos homens e 47,6% das mulheres.

Quando se considera apenas a obesidade (índice de massa corporal igual ou superior a 30 quilos por metro quadrado), as taxas são de 7,2% para os rapazes, 6,4% para as raparigas, 20,5% para os homens e 21% para as mulheres.

Em Portugal, todas as taxas estão acima da média regional: o excesso de peso afeta 28,7% dos rapazes, 27,1% das raparigas, 63,8% dos homens e 54,6% das mulheres, enquanto a obesidade atinge 8,9% dos rapazes, 10,6% das raparigas, 20,9% dos homens e 23,4% das mulheres.

Estes dados colocam Portugal como o terceiro país da região com mais raparigas com excesso de peso e o terceiro com mais meninas obesas.

Portugal é ainda o quarto com mais mulheres com excesso de peso e o sexto com mais rapazes com peso a mais.

A nível da Europa Ocidental, a obesidade nos rapazes varia entre 14% em Israel e 4% na Holanda e na Suécia; enquanto nas raparigas varia entre os 13% do Luxemburgo e 4% na Holanda, Noruega e Suécia