As autoridades de saúde estão preocupadas com o elevado consumo em Portugal de sedativos por parte dos jovens, estando já a estudar os motivos por detrás deste abuso e a possibilidade de introduzir psicólogos nos centros de saúde.

De acordo com o “European School Survey Project a on Alcohol and other Drugs (ESPAD)”, apresentado esta terça-feira, Portugal é um dos países da Europa onde os jovens com idades até aos 16 anos mais consomem medicamentos sedativos ou tranquilizantes com receita médica.

Portugal apresenta níveis mais elevados de consumo de tranquilizantes com receita médica do que o resto da Europa, respetivamente 13% e 8%, sendo o segundo país com maior percentagem destes consumos.

“Este é um resultado que para nós acaba por ser algo que nos motiva preocupação. Temos a noção clara de que é uma área em que temos que melhorar”, disse o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, aos jornalistas, à margem da apresentação do relatório.

O governante adiantou que está a já a ser estudado, em conjugação com os médicos de família e todos os profissionais dos cuidados de saúde primários, este novo fenómeno e soluções possíveis para o problema.

“Temos que perceber que tipo de jovens são estes que estão a obter estes sedativos através de receitas medicas, para que patologias, e encontrar mecanismos diferentes para responder às suas necessidades”, afirmou.

Citando os “bons exemplos” de países do norte da Europa, Fernando Araújo adiantou que “há formas alternativas de encontrar boas respostas para a depressão e ansiedade” e que a tutela está “empenhada em encontrar um plano para esse fim”.

Afastando a possibilidade de haver ligeireza por parte dos médicos na prescrição dos medicamentos, Fernando Araújo afirmou ter “a certeza absoluta que quando um médico prescreve é conhecendo esses doentes e achando que essa é a melhor alternativa para aquela situação”.

“Temos que discutir com os médicos alternativas não farmacológicas que conseguem obter resultados iguais ou melhores, que outros países estão a usar, como encontrar e integrar psicólogos e nutricionistas nos cuidados de saúde primários”, acrescentou.

No mesmo sentido, João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), considerou que o “abuso da medicação prescrita exige atenção redobrada, um outro olhar para a questão, perceber que mecanismos subjazem a esse abusos, perceber se há alternativas e se os médicos prescritores poderão deitar mão a alternativas terapêuticas que não passem necessariamente pelo uso de substâncias psicoativas”.

Quanto aos outros resultados do estudo, que apontam para uma melhoria da situação nacional a nível de consumo de álcool, tabaco e drogas, João Goulão defendeu que “as coisas têm corrido de uma forma geral bastante bem”, salvaguardando que não é um problema resolvido, mas uma tendência positiva.

O estudo revela que nos últimos quatro anos o consumo de álcool e tabaco entre jovens até aos 16 anos tem vindo a diminuir na Europa, com Portugal a situar-se abaixo da média europeia, mas ainda assim com consumos elevados de bebidas alcoólicas e perceção de fácil acesso ao tabaco mas sobretudo ao álcool.

Sobre esta matéria, Fernando Araújo mostrou-se aberto para, se for necessário, discutir alternativas e introduzir alterações à lei do álcool, embora para já o caminho aponte mais para medidas preventivas do que proibicionistas.

Isso mesmo foi deixado claro pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, que pretende introduzir já no próximo ano letivo o tema no currículo escolar precoce, para moldar a mentalidade dos mais jovens de forma a não procurarem os consumos quando forem mais velhos.

“Estamos a tentar introduzir no currículo a educação para a cidadania e desenvolvimento. Temos os grupos de trabalho a funcionar na expectativa de que em 2017/2018 o currículo passe a ser gerido com flexibilidade de forma a integrar dimensões de projeto de educação para a cidadania em articulação com as áreas curriculares”, afirmou.

João Costa sublinhou que hoje existem “bons resultados na educação para a saúde, porque se começou no primeiro ciclo”.

Nessa idade “não há uma preocupação de consumo, não há preocupação de acesso, mas há uma preocupação de tomada de consciência, que leva a que na idade em que o acesso existiria, não recorrem”, acrescentou.