Um projeto de investigação da Universidade de Coimbra que analisou a saúde da população portuguesa entre 1991 e 2011 concluiu que a saúde melhorou em 98% dos municípios nos 20 anos analisados.

A equipa do projeto GeoHealthS, que desenvolveu um Índice de Saúde da População que avalia o valor global de saúde entre 1991 e 2011 nos 278 municípios de Portugal Continental, concluiu que a saúde da população evoluiu positivamente em cerca de 98% dos municípios portugueses, nos 20 anos analisados.

Apesar da evolução, o estudo a que a agência Lusa teve acesso constata que mais de metade dos concelhos posiciona-se abaixo do valor global de saúde de referência em 2011.

Como contributo positivo para a evolução positiva do valor global de saúde, destacam-se o aumento da esperança de vida aos 65 anos, a diminuição das mortes evitáveis (sensíveis à prevenção primária, promoção da saúde, cuidados de saúde e pobreza), os ganhos no acesso aos cuidados de saúde e farmacêuticos, aumento da cobertura de sistemas de água e de saneamento, melhorias na habitação, aumento da população com ensino superior e diminuição do abandono escolar, entre outros fatores.

As assimetrias entre municípios também diminuíram ao longo dos 20 anos analisados, mas continuam "a verificar-se desigualdades geográficas", maioritariamente relacionadas com densidade populacional e dinâmicas urbanas, com os municípios de baixa densidade, mais envelhecidos e predominantemente rurais a registarem os piores valores.

Segundo o estudo, há uma tendência de evolução negativa em 31% dos municípios entre 2001 e 2011, que está associado a determinantes em saúde, nomeadamente a fatores económicos e sociais.

De acordo com a equipa de investigação, coordenada pela investigadora do Grupo de Investigação em Geografia da Saúde da Universidade de Coimbra Paula Santana, as potenciais áreas de intervenção prioritária serão a morbilidade nos municípios na faixa litoral, a mortalidade em áreas rurais e periféricas do país, bem como a dimensão económica e social e o ambiente físico.

"Os problemas em saúde [frequência e severidade] não estão distribuídos de forma uniforme nem pela população nem pelo território", alerta a equipa, considerando que "as consequências práticas de como o território se organiza e a capacidade de resposta dos municípios para a resolução dos problemas sociais, económicos e ambientais devem ser tomadas em linha de conta quando se observa a saúde da população".

O Índice de Saúde da População (INES), desenvolvido no âmbito do projeto GeoHealthS, é uma medida que agrega resultados em saúde e determinantes em saúde, contando com 43 critérios de avaliação de saúde da população.

O Índice (disponível para consulta em saudemunicipio.uc.pt) avaliou o valor global de saúde entre 1991 e 2011, à escala do município.

O projeto GeoHealthS, coordenado pelo Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Coimbra (CEGOTUC), contou com a participação de 16 entidades da administração central, regional e do ensino superior e foi financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.