O sociólogo João Teixeira Lopes alertou esta terça-feira em Paris para a existência de jovens licenciados que emigram para França para escapar à precariedade e que são «invisíveis perante as instituições e perante a diplomacia».

«Estes jovens que estão também agora a escolher a França, embora não maioritariamente, por serem invisíveis, por não serem registados pelas instituições, por não terem registo no espaço Schengen, por não serem considerados migrantes, têm que ser estudados», disse o professor da Universidade do Porto à agência Lusa na apresentação do seu estudo «Novos emigrantes para França».

«Na verdade [estes jovens] significam, em muitos casos, competências, talentos, capital humano que está neste momento a ser exportado pelo país. É preciso saber se eles mantêm laços fortes com o país de origem. São jovens invisíveis perante as instituições e perante a diplomacia que tem grande dificuldade em registá-los», acrescentou o ex-deputado pelo Bloco de Esquerda.

«Esta nova vaga é feminizada [74,3 por cento de mulheres e 25,7% de homens] qualificada, planeia a viagem e vai para França porque quer deixar de ser jovem. Estão fartos. Em Portugal só podem ser jovens, isto é, precários, intermitentes, constantemente adiando o futuro, permanecendo até muito tarde em casa dos pais, sem qualquer capacidade de constituírem família», descreve o professor.

De pais menos escolarizados, com situação profissional favorável, quando chegam a França vão trabalhar por conta de outrem, mas rapidamente conseguem emprego por conta própria, fundando pequenas empresas e convidando colegas para se juntar eles.

Os domínios de formação contemplam a fisioterapia, enfermagem, engenharias, finanças, gestão e economia, onde a saúde domina. Os jovens emigrantes apontam como principais razões para sair de Portugal a possibilidade de encontrar, em França, uma situação profissional onde os seus conhecimentos sejam reconhecidos, a possibilidade de carreira e a estabilidade.

A maioria destes jovens vive com outros colegas para fazer face às despesas de habitação em França Regresso improvável no médio prazo, apesar de estarem em França contrariados. Metade quer regressar, metade não quer, sendo que mesmo o que querem regressar não vislumbram isso. Só regressam se tiverem condições.

A investigação, que se centrou em jovens entre os 20 e os 35 anos, qualificados e emigrantes em França, serviu para desmistificar a ideia de que «as novas gerações não estão tão voltadas para os valores familiares».

Teixeira Lopes refere que na sua amostra está vincada a vontade dos jovens em se tornarem adultos como motivo para saírem de Portugal, onde não conseguem «ter casa própria, constituir família e ter uma carreira».

«Não é por desespero nem por exclusão. É porque em Portugal não conseguem passar à condição de adultos», garante o investigador.

O professor adiantou que faz parte de «uma equipa com investigadores de várias universidades que está neste momento a estudar os vários destinos europeus e os vários perfis».

«Temos uma multiplicidade de situações características de emigração contemporânea, ela é muito mais diversa», explicou o sociólogo que garante que «a grande novidade é a do norte da Europa».

«Países como a Suécia, a Noruega ou o Reino unido, que são países que escapam à crise atual e que mantêm, no caso dos países nórdicos, um estado de providência forte. E há alguma reativação, embora mais discreta nestes casos, para países como a Suíça e a Alemanha».

O estudo «Novos emigrantes para França» foi encomendado pela secretaria de Estado das Comunidades, foi debatido no âmbito do «Ciclo de debates - Portugueses de França» organizado por meios de comunicação portugueses em França, Rádio Alfa e LusoJornal, e o Consulado Geral de Portugal em Paris.