Portugal surge em 16º lugar na classificação de sistemas de cuidados de saúde de 34 países europeus, divulgada esta quinta-feira em Bruxelas pela organização Health Consumer Powerhouse, que sublinha a subida de nove lugares em relação a 2012.

No índice de Assistência Médica Europeu (EHCI) de 2013, Portugal totalizou 671 pontos num máximo de mil, estando a Holanda no primeiro lugar da tabela, com 870 pontos, seguindo-se a Suíça, Islândia, Dinamarca e Noruega.

Segundo a organização, a subida de Portugal explica-se parcialmente por alterações aos critérios do EHCI, sendo mais valorizada a prevenção.

«O facto de Portugal estar entre os primeiros em ¿Europa preventiva' sem dúvida explica a recuperação», sublinhou o presidente da Health Consumer Powerhouse (HCP), Arne Bjornberg.

Bjornberg sublinhou ainda que a HCP vai «acompanhar o comportamento da assistência médica em Portugal ao longo do tempo», adiantando que a crise financeira não causou piores resultados médicos.

Publicado pela primeira vez em 2005, o índice é compilado pela Health Consumer Powerhouse, uma organização sueca especializada na informação aos consumidores sobre cuidados de saúde e que garante compilar a classificação a partir de um conjunto de estatísticas públicas, sondagens aos utentes e pesquisa independente.

O índice traduz a classificação anual dos sistemas de saúde nacionais da Europa em cinco áreas: direitos e informação dos pacientes, listas de espera para tratamento, prevenção, âmbito e alcance dos serviços prestados e a área farmacêutica.

A classificação abrange os 28 Estados-membros da União Europeia e outros seis países europeus: Islândia, Suíça, Noruega, Albânia, Macedónia e Sérvia, na síntese da Lusa.