O material genético transmitido exclusivamente pela mãe tem um papel importante no envelhecimento saudável e também na predisposição para a obesidade.

De acordo com um estudo realizado por cientistas espanhóis e publicado na revista Nature, a interação entre o genoma nuclear e o mitocondrial é responsável pelo envelhecimento:

O metabolismo e o envelhecimento são determinados pela interação entre dois genomas, o genoma nuclear e o genoma mitocondrial”, explicou Jose Antonio Enriquez, que dirigiu o estudo.

O genoma humano tem cerca de 23 mil genes, sendo que, a maioria se encontra no núcleo da célula e que apenas 37 desses genes se encontram nas mitocôndrias - pequenas estruturas que envolvem o núcleo e que desempenham um papel essencial no metabolismo energético da célula.

O ADN mitocondrial é herdado unicamente da mãe, pois as mitocôndrias do esperma são destruídas durante a fertilização do óvulo.

Os autores do estudo trabalharam com duas linhagens de ratos que tinham o mesmo ADN nuclear, mas não o mesmo ADN mitocondrial e todos os animais viveram no mesmo ambiente e foram alimentados da mesma maneira.

Enquanto não foram encontradas diferenças nos ratos mais jovens, aqueles que receberam as mitocôndrias "externas" desenvolveram posteriormente menos sinais de envelhecimento e menos obesidade do que aqueles que mantiveram o ADN mitocondrial de origem.

De acordo com Ana Latorre-Pellicer, cientista que participou no estudo, as alterações no ADN mitocondrial causaram "uma adaptação celular em animais jovens, o que permitiu um processo de envelhecimento saudável."

Tendo em conta os testes que foram feitos com os animais, Jose Antonio Enriquez acredita que nos humanos o resultado seja semelhante:

Não vejo porque é que os resultados seriam diferentes em seres humanos", afirmou Enriquez, sublinhando a necessidade de se realizarem mais estudos para confirmar os resultados.