Investigadores das universidades do Porto e de Coimbra estão a desenvolver um estudo pioneiro sobre a atividade cerebral e a resposta sexual de homens com e sem disfunção erétil, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

A pesquisa necessita da contribuição voluntária de 40 homens, 20 dos quais com disfunção erétil com causas psicológicas e outros tantos sem dificuldades sexuais, que terão, designadamente, de efetuar uma entrevista, preencher questionários e realizar uma ressonância magnética, altura em será avaliada a sua resposta sexual.

“Os voluntários devem ser homens heterossexuais, com idades compreendidas entre os 18 e 50 anos, sem problemas médicos ou consumo de medicação que afetem a resposta sexual”, como, por exemplo, diabetes ou anti-hipertensores e antidepressivos. “O estudo decorre com todas as garantias de privacidade e anonimato”.


O Centro de Investigação em Sexualidade Humana (SexLab) da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (UP) e o Instituto Biomédico de Investigação de Luz e Imagem (IBILI) da UC  pretendem, assim, “analisar a atividade cerebral e a resposta sexual de homens com e sem disfunção erétil, face à visualização de filmes de conteúdo sexual, durante a realização de uma ressonância magnética”, lê-se numa nota da Universidade, que é citada pela Lusa.

Trata-se do “primeiro projeto experimental a avaliar a interação entre a atividade cerebral, a resposta sexual e fatores psicológicos (cognições e emoções) durante a exposição a estímulos sexuais em homens com e sem disfunção erétil”.

Financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a investigação poderá ter repercussões na “consolidação de conhecimentos relacionados com a etiologia e manutenção da disfunção erétil e suas implicações para tratamento”, sustentam os especialistas envolvidos no projeto, coordenado por Pedro Nobre e Miguel Castelo Branco, diretores do SexLab da UP e do IBILI da UC, respetivamente.

O objetivo geral é contribuir para “uma melhor compreensão desta problemática, avaliando os correlatos neuronais da resposta sexual em homens com e sem disfunção erétil”, sintetizam os coordenadores do estudo.

Simultaneamente, “pretendem-se correlacionar estas medidas com alguns fatores psicológicos, como a personalidade, crenças sexuais e mecanismos de excitação e inibição sexual que constituem fatores de risco para o desenvolvimento de disfunções sexuais”, acrescentam Pedro Nobre e Miguel Castelo Branco.

Os interessados em participar no estudo, que “obedece a todas as normas éticas e de regulamentação, nomeadamente ao princípio da confidencialidade”, devem contactar, através do endereço eletrónico sexlab.ibili@gmail, os responsáveis pelo projeto.