O uso do Facebook é um tema na ordem do dia, muito por culpa do escândalo das eleições americanas, em que os russos conseguiram ter influência por terem comprado os espaços de publicidade que os eleitores viam nesta rede social.

Cambridge Analytica, através de uma aplicação criada por Aleksandr Kogan, professor de psicologia da Universidade de Cambridge, recolheu mais de 50 milhões de informação de perfis para poder criar essa publicidade específica para influenciar o sentido de voto dos eleitores nas eleições americanas.

Este escândalo pôs em causa a privacidade dos utilizadores do Facebook e um grupo de cientistas da Universidade de Queensland e da Universidade Católica Australiana decidiu analisar os efeitos mentais colaterais por alguém abandonar esta rede social.

Nesta experiência foram analisados 138 utilizadores do Facebook, que foram divididos em dois grupos: o primeiro manteve a atividade regular na rede social, o segundo deixou de o usar por uma semana.

Uma semana depois, os cientistas analisaram a concentração de cortisol, a "hormona do stress", e fizeram algumas perguntas sobre humor, solidão e satisfação com a vida.

Concluíram que o grupo que esteve sem acesso ao Facebook apresentou níveis de cortisol mais baixos e melhor satisfação com a vida. A explicação pode estar relacionada com o facto do Facebook conter muita informação acumulada e umas "férias" dele diminui o stress de cada pessoa.

Mas há outro indicador a ter em conta: muitos dos participantes que estiveram sem acesso ao Facebook durante uma semana, revelaram ficar "felizes" por voltar, já que consideravam estar "fora" do que se passava socialmente naquele período.

Eric Vanman, autor do estudo que foi publicado no Journal of Social Psychology, intitulado "The Burden of Online Friends", explica esta variável: 

"Nós não sabemos o tempo exato para haver esta redução de cortisol, nem sabemos quando é que a hormona iria aumentar antes da pessoa voltar ao Facebook. Por exemplo, pode ser que estar fora do Facebook nos primeiros dias reduza o stress, mas, quanto mais tempo a pessoa se sentir como se estivesse fora, pode levar o cortisol a aumentar novamente", referiu.

Vanman explica que será preciso um estudo muito maior para determinar isso e adianta que o grupo que fez o estudo recomenda pequenas pausas no uso da rede social para melhorar o nível de vida e diminuir o stress diário.