Vila Real registou, esta segunda-feira, 12 ocorrências no distrito relacionadas com o mau tempo, que provocou derrocadas, afetou uma habitação e provocou um desalojado, cortou a Estrada Nacional 2 (EN2), causou pequenas inundações e derrubou um muro.

O comandante distrital de operações de socorro de Vila Real, Álvaro Ribeiro, fez à agência Lusa um balanço no mau tempo que está a afetar o distrito, nomeadamente a chuva forte, e referiu que, entre as 00:00 e as 12:30, foram contabilizadas 12 ocorrências com intervenção de meios de socorro.

Foram ainda, acrescentou, registados oito alertas que foram direcionados para as proteções civis municipais e para a empresa Infraestruturas de Portugal (IP) e que estão relacionadas com situações de quedas de terras para o pavimento, entupimento de sarjetas, valetas entupidas e lençóis de água no solo.

Álvaro Ribeiro destacou como a situação mais grave a derrocada na EN2, entre Parada de Cunhos e a Cumieira, que afetou uma moradia e desalojou um homem de 66 anos, destruiu um anexo agrícola e levou ao corte da via que liga Vila Real a Santa Marta de Penaguião.

Os moradores da zona apontam como causa da derrocada as obras que decorrem na Autoestrada do Marão, no cimo da encosta.

“A estrada continua interrompida porque a construtora não consegue desviar as águas, que continuam a correr e, por razões de segurança, impedem a reabertura da estrada”, salientou o comandante distrital.


Contactado pela Lusa, fonte da IP referiu que “deslocou de imediato técnicos para o local a fim de proceder ao corte da circulação e à implementação e sinalização de percursos alternativos”.

“Foram também iniciados os trabalhos de remoção de terras e limpeza da estrada, de modo a que com a maior brevidade possível, seja reposta a normal circulação na EN2 e em totais condições de segurança”, acrescentou.


Segundo a IP, “o deslizamento de terras decorre da elevada pluviosidade que se fez sentir nos últimos dias e que provocou o alagamento de diversos locais da obra."

“Desta situação resultou um anormal acumular de água e detritos nos sistemas de drenagem existentes, provocando o seu entupimento e ao desvio do percurso das águas escorrendo para zonas não supostas”, salientou a fonte.

A IP disse ainda que alertou a Ferrovial Agroman, empresa responsável pela execução da atual obra no lanço da Autoestrada do Marão, e que, em conjunto, “irá ser estudada uma solução técnica que permita a reparação e correção deste problema”.

A Infraestruturas de Portugal faz na terça-feira uma reavaliação das condições de segurança da Estrada Nacional 2 (EN2), em Vila Real, para decidir se a reabre.

Álvaro Ribeiro referiu ainda que, na cidade de Chaves, se verificou uma derrocada de um muro que atingiu o anexo de uma habitação.

Apesar da situação ainda estar em avaliação, existe ainda o perigo de novas derrocadas deste muro.

Também na zona industrial de Vila Real foi registada uma inundação que afetou alguns automóveis.

O comandante distrital referiu que as inundações nesta zona são recorrentes, devido a um problema antigo relacionado com o “dimensionamento da drenagem de água”.

As situações registadas no distrito de Vila Real mobilizaram vários meios dos diversos corpos de bombeiros, equipas das proteções civis municipais e da IP, bem como os militares da GNR.


[Nota: foto de arquivo]