“A estrada continua interrompida porque a construtora não consegue desviar as águas, que continuam a correr e, por razões de segurança, impedem a reabertura da estrada”, salientou o comandante distrital.


“Foram também iniciados os trabalhos de remoção de terras e limpeza da estrada, de modo a que com a maior brevidade possível, seja reposta a normal circulação na EN2 e em totais condições de segurança”, acrescentou.