«A cultura é, de uma forma geral, um dos mais importantes instrumentos de convivência humana e o maior antídoto contra o fanatismo que exclui e persegue em nome de uma 'verdade' única, seja qual for», considerou Esther Mucznik, vice-presidente da Comunidade Israelita de Lisboa.