A georreferenciação dos lugares para deficientes e o reforço de sinalética e da fiscalização são medidas que a Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL) quer introduzir até ao final do verão para apoiar pessoas com mobilidade reduzida.

Estas medidas, juntamente com a georreferenciação de lugares marcados para pessoas com deficientes, estão incluídas no programa «100% Acessível» da EMEL, que tem como objetivo «facilitar as deslocações de pessoa com mobilidade reduzida em Lisboa», disse à agência Lusa a administradora da empresa Vanda Nunes.

Além da isenção do pagamento de estacionamento para pessoas com deficiência, uma medida que está em vigor depois de a Câmara de Lisboa ter aprovado do novo regulamento municipal de estacionamento em maio, a responsável da EMEL disse que as novas medidas são para implementar até ao final do verão.

«Vamos fazer com que a sinalética seja mais visível. Vamos proceder à pintura dos lugares e colocar sinais verticais, para que os condutores percebam que estão num lugar de estacionamento reservado», disse Vanda Nunes.

Por outro lado, a empresa está a trabalhar num processo de georreferenciação de todos os lugares reservados a pessoas com deficiência que será disponibilizada na aplicação para smartphones e na página oficial na Internet da EMEL.

«É importante que consigamos colocar essa informação em espaços como o Google Maps [mapas do motor de pesquisa Google], que é de acesso fácil, para que as pessoas possam saber onde estão os lugares de que precisam», explicou.

A administradora da EMEL explicou ainda que o reforço da fiscalização também é importante, apesar de já estar a «vigorar a impunidade zero para quem estaciona em lugares para deficientes».

A EMEL pretende ainda envolver a sociedade civil e vai apoiar um projeto cuja finalidade «venha a traduzir uma melhoria efetiva para a mobilidade». Os moldes do apoio ainda estão a ser desenvolvidos.