O ministro da Saúde está a acompanhar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) concorrente sobre a Espírito Santo Saúde (ESS), tendo em conta o contrato que o ministério mantém com este grupo na gestão do hospital público de Loures.

Fonte do gabinete do ministro da Saúde disse à Lusa que a principal preocupação de Paulo Macedo é o cumprimento rigoroso do que está acordado no contrato de gestão do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures.

O Grupo José de Mello Saúde lançou uma OPA à ESS para concorrer com o grupo mexicano Ángeles, cujo investimento total poderá chegar aos 420 milhões de euros.

Trata-se da segunda Parceria Público Privada (PPP) que muda de gestor, depois do Hospital de Cascais, inicialmente gerido pelo grupo Hospitais Privados de Portugal (HPP), passar para a gestão da Lusíadas Saúde, da sociedade Amil Internacional, que adquiriu os HPP por 85,6 milhões de euros.

A segunda PPP a mudar de gestor será o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, que abriu a 19 de janeiro de 2012, e é gerido pela ESS. O Ministério da Saúde garante que está a acompanhar o processo, no sentido do contrato de gestão ser cumprido.

De acordo com o prospeto de oferta pública de distribuição e de admissão à negociação no Euronext Lisbon, a 30 de setembro de 2013 os estabelecimentos do Grupo Espírito Santo Saúde tinham, no seu conjunto, 1 179 camas e 8 907 colaboradores, de entre os quais 3.594 médicos (médicos especialistas e médicos de clínica geral), 1672 enfermeiros, 507 técnicos, 892 outros profissionais da área da saúde e 2 242 colaboradores não relacionados com a área da saúde.