Perto de 20 mil embriões estavam, no final de 2013, congelados e a aguardar um destino, 32 foram nesse ano doados a outros casais e nenhum encaminhado para fins de investigação, segundo dados do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA).

O maior número de embriões excedentários (8.893) resultou de tratamentos com microinjecção intracitoplasmática (ICSI) intraconjugais, seguindo-se os oriundos de ciclos de Fertilização In Vitro (FIV), que totalizaram 5.845.

No mesmo período foram criopreservados 3.239 embriões, resultantes de tratamentos de ICSI com ovócitos de dadora e 660 no âmbito de ciclos de FIV com ovócitos de dadora.

Os embriões criopreservados no âmbito de ciclos de FIV com espermatozoides de dador ascenderam a 496 e 273 resultaram de ciclos de ICSI com espermatozoides de dador.

No total, encontram-se crioconservados 19.406 embriões, contabilizados entre 2009 e 2013.

Segundo o CNPMA, em 2013 foram doados 32 embriões a outros casais (135 entre 2009 e 2013) e 398 foram descongelados e eliminados (1.491 entre 2009 e 2013).

Em 2012, último ano com os dados compilados pelo CNPMA, nasceram 2.134 crianças com recurso a técnicas de Procriação Medicamente Assistida.

626 dadores de espermatozóides e de ovócitos

Em Portugal existem 626 dadores de espermatozoides e dadoras de ovócitos registados desde janeiro de 2013, cuja identidade não pode ser revelada e à qual só poderão ter acesso dois elementos da Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA).

Este registo entrou em funcionamento em janeiro de 2013 e, desde então, reúne os dadores de gâmetas masculinos e femininos que realizaram as doações em Portugal, segundo disse à Lusa o presidente do CNPMA.

De acordo com Eurico Reis, a informação que consta desta base de dados é confidencial e a ela só poderão ter acesso o presidente e o vice-presidente do CNPMA, em simultâneo.

Os dadores em questão realizam as suas dádivas, algumas das quais já foram utilizadas e deram origem a gravidez e a crianças nascidas, embora estes dados não constem do registo. Não constam desta base de dados as dádivas importadas.

Em 2014 entrou ainda em funcionamento o registo da atividade de Procriação Medicamente Assistida (PMA) em Portugal, com dados sobre as crianças nascidas através destas técnicas, que em 2016 cumprem 30 anos em Portugal.

O CNPMA tem, até hoje, compilados os dados referentes à atividade dos centros de PMA em 2012, tendo em conta a necessidade de aguardar o tempo da gestação. Em 31 de janeiro deste ano, começaram a ser tratados os dados de 2013.

Em 2012 nasceram 2.134 crianças com recurso a técnicas de PMA, representando 2,4 por cento dos nascimentos nesse ano.