Catorze pessoas foram constituídas arguidas, e uma delas foi mesmo detida, pela polícia judiciária, no âmbito de uma investigação que levou à apreensão de 173 aves de espécies protegidas.

Na operação, explica a polícia, foram feitas 21 buscas domiciliárias e foi detida uma pessoa por desobediência e resistência, e coação sobre funcionário. Os supostos implicados incorrem em crimes de contrabando e danos contra a natureza.

De acordo com um comunicado, das 173 aves apreendidas, e que foram encaminhadas para centros de acolhimento especializados, 64 pertencem a espécies em risco de extinção (araras e papagaios).

A ação da polícia foi feita pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e no âmbito de um inquérito dirigido pelo DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Lisboa. A investigação teve a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, como noticia a Lusa.