A GNR deteve hoje, no Alto Minho, um casal de espanhóis que tentava abandonar um filho recém-nascido no hospital e que era procurado internacionalmente pelo rapto de uma criança de seis anos, filha da mesma mãe.

Fonte daquela força explicou que a detenção dos dois suspeitos - um homem de 26 anos e uma mulher de 27 - foi concretizada ao início da tarde de hoje, «em flagrante delito», por militares da GNR em Paredes de Coura e em Moledo, no concelho de Caminha.

A investigação foi provocada por uma denúncia anónima enviada para a GNR de Vila Praia de Âncora (Caminha), «dando conta de uma situação burlesca de tentativa de abandono de um recém-nascido», após parto, no hospital de Viana do Castelo.

«A parturiente era precisamente a suspeita, que desejava abandonar o referido estabelecimento hospitalar, mesmo sem alta médica, porquanto se fazia identificar sob identidade falsa», explicou a mesma fonte.

Os dois suspeitos são ambos de nacionalidade espanhola e têm residência conhecida na região das Astúrias, Espanha. A GNR confirmou, no decurso da investigação, que tinham pendente um mandado de detenção internacional, emitido pela Interpol.

Eram procurados pela alegada autoria de um crime de sequestro, em julho de 2013, de menina de 6 anos, precisamente a filha da suspeita, e a quem tinha sido retirada a tutela.

«A criança sequestrada, bem como dois irmãos desta, foram entregues aos cuidados de uma entidade indicada pela comissão de proteção de crianças e jovens em risco», indicou a GNR.

O homem já tinha sido condenado em Espanha pelos crimes de sequestro, roubo e burla e a mulher por homicídio.

Ambos vão ser presentes ao Ministério Público do Tribunal da Relação de Guimarães, para decidir a respetiva extradição.