Notícia atualizada

Os trabalhadores da empresa concessionária do serviço de refeições das cantinas escolares de Torres Novas, que serve 2000 refeições diárias, realizam esta terça-feira uma greve, mas para que as escolas não encerrem o município assegurará as refeições.

«Vamos assegurar o fornecimento de uma refeição alternativa para os alunos, através do apoio da Rede Social do concelho e de entidades privadas», afirmou à agência Lusa o presidente da Câmara de Torres Novas, Pedro Ferreira.

Os trabalhadores da empresa Nobrecer, através do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Sul informaram no domingo que cumpririam hoje uma greve contra os salários em atraso.

Na segunda-feira, ao fim do dia, a empresa anunciou a regularização dos salários dos funcionários das cantinas escolares de Torres Novas, imputando as razões do atraso à Câmara Municipal.

Contactado o presidente do município, Pedro Ferreira disse que «nada deve» à empresa.

Por seu lado, o sindicato informou que a greve anunciada se vai manter, uma vez «que os salários não entraram nas contas das funcionárias até às 18:00» de segunda-feira.

Os funcionários vão concentrar-se a partir das 08:00 junto à Escola EB 2/3 Artur Gonçalves, em Torres Novas.

O Sindicato que representa os trabalhadores da concessionária do serviço de refeições escolares ao município de Torres Novas disse hoje que se regista 100 % de adesão à greve que reclama melhores condições de trabalho e salários sem atrasos.