O fundador do Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares desafiou, esta quinta-feira, o ministro da Educação a recomendar a todas as escolas que estendam as bolsas de manuais escolares para alunos da ação social a todos os estudantes.

«Não chega o Sr. Ministro [Nuno Crato] responder que isso é da competência das escolas. É certo que é uma competência das escolas, mas a sua recomendação é fundamental para que as escolas avancem em massa», disse à agência Lusa Henrique Cunha.

Para o mentor do Reutilizar.Org, o alargamento das bolsas de manuais escolares a todos os alunos resolveria «o problema da maioria das famílias que compreende que o livro usado é tão valioso como um livro novo, e não precisaria de comprar livros e de ter este encargo nesta altura do ano».

Fazendo um balanço dos dois anos de atividade do movimento que promove a criação e divulgação de bancos de recolha e partilha gratuita de livros escolares por todo o país, Henrique Cunha disse que tem sido um «sucesso enorme».

«O sucesso é enorme seja pela adesão das pessoas aos bancos, seja pela multiplicação do número de bancos associado ao movimento ou pela abertura de novos bancos promovidos por autarquias, bibliotecas e escolas» sem estarem associados ao movimento, sublinhou.

«Esta é uma medida do sucesso do movimento que tem como objetivo único tornar a reutilização dos livros universal, independentemente de ser por intermédio dos nossos bancos», acrescentou.