O Ministério da Educação e Ciência (MEC) vai gastar cerca de 30 milhões de euros, provenientes de fundos comunitários, “na contratação, formação e aquisição de materiais no âmbito do trabalho dos psicólogos em contexto escolar”, adiantou hoje a tutela.

O objetivo, é, até 2020, “atingir o objetivo de um psicólogo por cada 1.100 alunos” com a aplicação destes valores, de acordo com declarações do subdiretor-geral da Educação, Pedro Cunha, à Lusa, na sexta-feira.

A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) vai ajudar o Ministério da Educação a identificar os materiais mais adequados ao trabalho destes profissionais em contexto escolar, acrescentou.

Neste sentido, será hoje assinado um protocolo, no decorrer do III Seminário de Psicologia e Orientação em Contexto Escolar, que hoje começou na Cidade Universitária.

O trabalho dos psicólogos nas escolas passará também a ter supervisão, referiu Pedro Cunha.

À Ordem dos Psicólogos caberá definir os profissionais que são necessários nas escolas, os conteúdos e a formação.

“Toda a formação que vamos fazer será certificada pela Ordem dos Psicólogos”, indicou o responsável da Direção-Geral da Educação (DGE).

O comunicado hoje enviado pela tutela adianta que a DGE está disponível para colaborar com a OPP “na disponibilização de estágios de acesso à ordem”.

A Ordem dos Psicólogos vai também ajudar a elaborar uma lista dos materiais que são necessários para o trabalho em contexto escolar.

Neste momento estão a ser dados os primeiros passos para a criação de uma plataforma que registe as intervenções realizadas ao longo do acompanhamento do aluno, à semelhança do que acontece no Serviço Nacional de Saúde.

De acordo com dados da Ordem dos Psicólogos, existem atualmente cerca de 775 psicólogos para um milhão e duzentos mil alunos, havendo casos em que há apenas um psicólogo para 2.000 alunos.