O Agrupamento de Escolas de Pedrógão Grande disse à agência Lusa que o exame final de Matemática do 9.º ano está a decorrer com a presença de todos os alunos, mas que ao de Português nem todos compareceram.

Hoje, decorre a prova final de Matemática do 9.º ano com a presença de todos os alunos. À prova de Português, que estava agendada para quinta-feira, não compareceram todos, pelo que vão poder fazê-la na data da segunda fase", explicou Américo Lourenço, da direção do Agrupamento de Escolas de Pedrógão Grande.

Este responsável adiantou que existem instruções do Ministério da Educação para que os alunos que não puderam comparecer aos exames tenham sempre duas oportunidades.

Em relação ao exame de Português, os que quiserem usar a segunda fase vão poder fazê-lo, como se esta fosse a primeira.

Já em relação aos outros ciclos de ensino, disse que no pré-escolar as aulas deveriam estar a decorrer até ao final do mês: "As aulas estão interrompidas [pré-escolar], até porque o edifício do jardim-de-infância e do 1.º ciclo está ocupado pelos fuzileiros".

Apesar disso, as crianças estão a ser recebidas pela escola até para facilitar a vida aos pais.

Não são aulas estruturadas, mas as crianças têm acompanhamento de docentes", frisou.

O Agrupamento de Escolas de Pedrógão Grande integra a Escolas Básica Miguel Leitão de Andrada (sede), Escola Básica do 1.º Ciclo, a Escola do 1.º Ciclo da Graça, o jardim-de-infância de Vila Facaia e o jardim-de-infância e do 1.º ciclo de Pedrógão Grande, que funciona no centro escolar.

Atualmente, o agrupamento é frequentado por cerca de 290 alunos, que são acompanhados por mais de 30 professores.

Estamos todos a trabalhar com empenho e determinação para estabelecer o mais rapidamente possível a regularidade. Hoje, a presença de todos os alunos na prova de Matemática é um sinal de que estamos no bom caminho", frisou.

Já quanto às provas de aferição do 2.º e 5.º anos, foram suspensas por falta de condições para as realizar.

Américo Lourenço disse ainda que há alguns casos complicados na escola, visto que uma das vítimas mortais do incêndio frequentava o pré-escolar e era filha de uma assistente operacional do estabelecimento de ensino.

"Esta situação mexeu muito com toda a comunidade escolar", afirmou.

Neste momento, o espaço da escola sede do agrupamento está também a servir de armazém para os bens recolhidos, como móveis, roupas e outros produtos de primeira necessidade, sendo que a Câmara de Pedrógão Grande é que está a coordenar a sua distribuição pelas pessoas necessitadas.

O secretário de Estado da Educação, José Costa, esteve esta terça-feira no Agrupamento de Escolas de Pedrógão Grande para uma reunião com os diretores das escolas afetadas pelos incêndios. O governante afirmou que as escolas estão a dar uma resposta "absolutamente admirável".

A resposta das escolas é absolutamente admirável. Temos aqui uma equipa de diretores absolutamente fantásticos, que estão a conseguir garantir a estas famílias que, aos poucos, os mais novos encontrem a tranquilidade que a escola assegura."

"Foi uma reunião de trabalho com os senhores diretores de todas as escolas afetadas para fazer o ponto de situação sobre os exames, situações pontuais e fazer o levantamento. Temos estado sempre em contacto com os diretores, foi uma reunião de trabalho", concluiu.

O incêndio que deflagrou há uma semana, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto no sábado.

O fogo atingiu também os concelhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, e chegou aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.