A «grande maioria» dos 350 alunos das escolas da freguesia de Colos, no concelho alentejano de Odemira, faltou esta segunda-feira às aulas e manifestou-se com os pais para contestar a falta de auxiliares de ação educativa.

O Agrupamento de Escolas de Colos, composto por quatro escolas do pré-escolar, seis do 1.º ciclo e uma dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico, está «praticamente parado», porque «a grande maioria, cerca de 90%, dos alunos faltou às aulas», disse à agência Lusa o presidente da associação de país do agrupamento, Pedro Gonçalves.

No âmbito do protesto, decidido e organizado pela associação, alunos, pais e encarregados de educação manifestaram-se hoje de manhã à porta da Escola dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico de Colos, a sede do agrupamento, para contestar a «difícil situação de falta de auxiliares» e exigir a contratação de pessoal, contou.

Segundo Pedro Gonçalves, o protesto surgiu porque a falta de auxiliares no agrupamento, «um problema sem perspetivas de resolução», está «a pôr em causa a segurança e a vigilância dos alunos, a limpeza das escolas e o funcionamento com um mínimo de dignidade de todos os serviços do agrupamento».

A Escola do 1.º ciclo do Ensino Básico de Colos «está sem auxiliar» desde o dia 06 deste mês e todos os 35 alunos, por decisão dos pais, faltaram às aulas durante a semana passada, «porque não há condições de segurança», e a Escola dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico de Colos «devia ter 12 auxiliares e só tem seis», lamentou.

Esta segunda-feira, dos 35 alunos da Escola do 1.º ciclo do Ensino Básico de Colos, só três compareceram e os restantes 32 faltaram às aulas, disse, referindo que a intenção dos pais é manter o protesto e não permitir que os filhos vão às aulas «até que o problema seja resolvido», através da colocação de uma auxiliar.