Uma praga de ratazanas na Escola Secundária do Restelo e na Escola Básica EB1 de Caselas, ambas em Lisboa, obrigou ao seu encerramento nesta quinta-feira, apurou a TVI. À tarde já não haverá aulas.

O encerramento foi confirmado pelo diretor do Agrupamento de Escolas do Restelo, através de comunicado.

Determino o encerramento da Escola Secundária do Restelo e da Escola EB1 de Caselas de 25 a 29 de janeiro (inclusive) por não estarem reunidas as condições de higiene e saúde pública devido ao ressurgimento de uma praga de roedores. Assim, serão tomadas as medidas necessárias dentro do perímetro escolar e serão alertadas as entidades competentes no que respeita ao espaço exterior envolvente, visto o problema ultrapassar os limites do recinto escolar.”

Os edifícios estarão fechados até segunda-feira, sendo as aulas retomadas na terça-feira.

Em declarações à Lusa, Júlio Santos, explicou que "há cerca de um mês e meio" tiveram "uma situação com roedores, mas, na altura, identificou-se que o problema era originário numa palmeira".

Fizemos uma intervenção interna e o problema foi resolvido. No entanto, há um dia ou dois foi, novamente, dado conta de uma praga de roedores e acionámos os meios para o controlar.”

Segundo o responsável, dentro das duas escolas será feita uma intervenção por parte de uma empresa contratada para o efeito, e no exterior a junta de freguesia, em articulação, com a autarquia irá proceder à limpeza na área circundante.

Um aluno da Secundária contou à Lusa que um funcionário foi “a cada sala de aula dizer ao professor e aos alunos que vão fazer a desratização”, pelo que a escola iria fechar.

O mesmo aluno indicou que “não é a primeira vez” que há problemas com ratos naquela escola, sendo que esta praga está longe de ser o único problema do estabelecimento.

"É das poucas escolas que ainda tem amianto em todos os pavilhões, quase em decomposição, não tem ginásio, o mobiliário é dos anos 70/80, as janelas não fecham, os estores estão avariados e o frio nas salas é muito”, descreveu.

Em comunicado enviado à TVI, a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Secundária do Restelo explica que em causa está "uma infestação de ratazanas" e não de ratos, como foi inicialmente avançado.

Para a Associação, a desinfestação não basta, sendo "urgente que existam compromissos de manutenção e limpeza do recinto escolar (mato) para que as pragas se consigam controlar, assim como planos concretos para uma requalificação de fundo nas infraestruturas desta escola, permitindo as condições mínimas para um ensino público de qualidade".

A intervenção prevista em 2018 apenas para os balneários da escola e na sequência de uma greve de professores, é claramente insuficiente. A escola carece, entre outras coisas, de um pavilhão gimnodesportivo, um refeitório autónomo e com capacidade para os mais de 1400 alunos, uma avaliação ambiental às coberturas de fibrocimento, mobiliário novo nas salas de aula e sistema eléctrico remodelado que permita aquecimento."