Portugal tem atualmente 579 zonas balneares (praias), mais 13 que em 2015, um número recorde, das quais apenas três estão classificadas como sendo de “má” qualidade.

País falha, ainda assim, o objetivo ordenado pela diretiva europeia – definido em 2006 – que obrigava os Estados a terem todas “as águas balneares classificadas como ‘aceitável’ até ao final da época balnear de 2015, devendo ser tomadas as medidas que se considerem adequadas para aumentar o número de águas balneares classificadas como ‘excelente’ ou ‘boa’.”

As únicas praias que mantêm a qualidade “má”, menos três que no ano passado, ficam no Funchal (Gorgulho e Poças do Gomes – Doca do Cavacas) e em Ílhavo (Jardim de Oudinot).

Segundo comunicado da ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável), das 579 zonas balneares, 443 são costeiras, 22 de transição (estuários, por exemplo) e 115 interiores. As 13 novas zonas balneares dividem-se por zonas de norte a sul e ilhas: quatro no norte (Azenas – Vilar de Mouros, Melres, Segões e Lameira – Quadrazais), duas no centro (Santa Clara e Poço do lagar), uma no Alentejo (Santa Clara), três na Madeira (Praia da Serra de Água, Anjos – Ponta do Sol e Clube Naval do Seixal) e três nos Açores (Portinho do Faial da Terra, Furna de Santo António e Castelo Branco).

Em relação ao ano de 2015, registou-se uma melhoria na qualidade das praias, com mais 28 a atingir a qualidade “excelente” (16 costeiras e 13 interiores), tendo apenas uma de transição recuado na qualidade.

A ZERO elogia a melhoria na qualidade das praias portuguesas, porém informa, e lamenta, que a única praia do Estuário do Tejo deixou de ser considerada zona balnear.

Infelizmente, a única zona balnear que há poucos anos começar a funcionar no Estuário do Tejo, a praia da Ponta dos Corvos no concelho do Seixal, deixou de ser considerada como tal nesta época balnear de 2016, dado não reunir as condições para funcionar como tal.”

A Associação apurou junto da Agência Portuguesa do Ambiente que a decisão “teve como preocupação a proteção da saúde dos banhistas, atendendo às situações de contaminação microbiológica que se verificaram em 2015, no início da época balnear, e que resultaram no desaconselhamento e interdição da prática balnear”.

De fora da lista de águas balneares para 2016 ficam Boaventura e São Fernando em Santa Cruz, na Madeira, devido à realização de obras.

Pode consultar AQUI a lista de todas as zonas balneares e respetiva classificação.