Sem o controlo desejado, a propagação da epidemia de Ébola está a fazer com que a ONU esteja num nível de alerta máximo e, por isso mesmo, decidiu realizar uma «reunião de emergência» já na próxima quinta-feira à tarde.

«É essencial que os membros do conselho discutam a situação da epidemia, concordem com uma resposta internacional coordenada e iniciem o processo de canalização dos recursos coletivos para deter a propagação da doença», anunciou esta segunda-feira a embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Power, citada pela Lusa.

A diplomata, que preside ao Conselho em setembro, precisou que Washington deseja que esta reunião conduza a «compromissos concretos» para combater a epidemia.

O secretário de Estado da Cooperação, Campos Ferreira, disse hoje mesmo, em Bruxelas, que a comunidade internacional espera ter a epidemia controlada num prazo de seis meses.

«Temos que ter uma atitude de apoio, de criar mecanismos que possam dar uma resposta a que esta epidemia seja controlada num prazo de seis meses», disse Luís Campos Ferreira.

«É este o objetivo que esta coordenação da União Europeia - em conjunto com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e as Nações Unidas - se propõe».

Os próximos passos deverão ficar definidos, então, ainda esta semana.