programa +Superior

O aumento no número de bolsas de estudo poderá, no entanto, ser insuficiente para dar resposta à procura, uma vez que os dados conhecidos para o ano letivo de 2014-2015, o primeiro em que o programa +Superior foi aplicado, mostram que 362 candidatos elegíveis não conseguiram, ainda assim, aceder às mil bolsas disponíveis.

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) explicou em comunicado que “podem concorrer ao programa + Superior todos os estudantes candidatos ao ensino superior, inscritos na sequência de uma colocação na 1.ª, 2.ª ou na 3.ª fase do concurso nacional de acesso de 2015, num ciclo de estudos de uma das instituições selecionadas”, desde que não tenham origem na região da universidade para a qual se candidatam à atribuição destas bolsas de mobilidade.

A Universidade de Trás-os-Montes é a instituição com mais bolsas disponíveis (120) seguindo-se os institutos politécnicos de Bragança e Viana do Castelo. A Universidade da Beira Interior e os politécnicos de Castelo Branco, Guarda, Tomar e Viseu vão ter disponíveis 78 bolsas e a Universidade de Évora e os politécnicos de Beja, Portalegre e Santarém 75 bolsas.

Para a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital do Instituto Politécnico de Coimbra, que integra a partir de 2015-2015 o conjunto de instituições abrangidas pelo programa +Superior, haverá 10 bolsas disponíveis.

Universidade do Algarve excluída

 

Candidaturas até 5 de outubro

O ministério refere ainda que a partir do próximo ano letivo passam a ser a instituições a “distribuir as bolsas por curso, de acordo com as necessidades de atração identificadas”.

Os que já beneficiaram das 1.001 bolsas atribuídas em 2014-2015 vão poder ver renovado esse apoio para o próximo ano letivo, “desde que estejam matriculados e inscritos na mesma instituição ou noutra abrangida pelo regulamento, com aproveitamento escolar no ano anterior”.