A partir do próximo ano letivo os estudantes do ensino superior não vão poder solicitar transferências entre universidades e politécnicos.

O ministério da Educação (MEC) que acabar com os casos de alunos que entram para um curso que não pretendem seguir, apenas para depois pedirem transferência para o curso e/ou universidade/politécnico que realmente querem frequentar, avança o jornal Diário Económico (DE).

O MEC já enviou a proposta às instituições de ensino superior, para as alterações serem depois publicadas em portaria.

Todos os alunos passam a estar impedidos de pedir transferência de politécnicos para universidades, ou vice-versa, mesmo que seja para um curso da mesma área de estudos.

A mobilidade entre os dois sistemas de só será possível caso o estudante pretenda alterar a área da licenciatura, e desde que tenha realizado os exames específicos para o curso que quer mudar.
 

“O que se impede são os abusos conhecidos de entrada fictícia num curso com o objetivo de entrar noutro curso iludindo as regras de acesso e assim ultrapassar os colegas que seguem as normas prescritas”, disse o secretário de Estado do Ensino Superior, José Ferreira Gomes, ao DE.


A alteração traz, ainda, a imposição de um ano obrigatório antes de qualquer transferência. Ou seja, antes de poderem mudar de curso os alunos são obrigados a frequentar o primeiro ano naquele que entraram.