Foram detetados erros nas candidaturas de alguns alunos de cursos profissionais ao Ensino Superior.

Ao jornal «Público», o ministério da Educação confirma que detetou erros no preenchimento das fichas onde constam as classificações dos estudantes para efeitos de candidatura à universidade.

Há casos em que as candidaturas dos alunos foram aceites, mesmo com negativa no exame nacional de Português.

Há registo de outras irregularidades no que toca ao cálculo da média final dos estudantes.

Na origem destes erros pode estar um diploma do Governo com efeitos transitórios que obriga a uma classificação de 9,5 no exame nacional de Português. Muitas escolas terão ignorado esse despacho.

O resultado das colocações nos estabelecimentos públicos de Ensino Superior vai ser conhecido no próximo domingo.