O Prémio de Ensaio Jacinto Prado Coelho distinguiu esta quinta-feira, ex-aequo, os investigadores José Carlos Seabra Pereira e Fernando Cabral Martins, disse à Lusa uma fonte da Associação Portuguesa dos Críticos Literários, que atribui o galardão.

De acordo com a Lusa, José Carlos Seabra Pereira é distinguido pela obra “Aquilino, a escrita vital”, Fernando Cabral Martins, por “Introdução ao estudo de Fernando Pessoa”, e os dois vão dividir, entre si, o valor pecuniário do galardão, que é de cinco mil euros.

José Carlos Seabra Pereira afirma que Aquilino Ribeiro (1885-1963) é um “autor invulgar e excelente realizador de uma poética vitalista nos géneros e subgéneros de ficção narrativa (romances, novelas e contos de índole vária), bem como em textos de hibridismo genológico”.

“Aquilino Ribeiro desde cedo foi alvo de uma fortuna crítica que importa hoje rever, a par de uma releitura da sua obra em nova perspetiva”, escreve o ensaísta na obra, editada pela Babel.

“Através do seu estilo versátil, essa obra torna saborosamente sensível uma visão irónica da condição humana, com apresentação tensional dos episódios edénicos na trama trágica da existência imanente, da aura amorosa e dos seus desaires na geral labilidade dos bens e gozos terrenos, do heterodoxo fascínio franciscano às mãos com um desenganado realismo antropológico”, afirma o autor.

Seabra Pereira é professor associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e dirige o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura. Licenciado em Filologia Românica, é doutorado pelas universidades de Poitiers, em França e Coimbra.

O autor investiga e leciona sobretudo nas áreas de Literatura Portuguesa Moderna, Estudos Camonianos, Estudos Pessoanos e Teoria Literária, tendo regido cadeiras de Língua Portuguesa, Técnicas de Expressão e Comunicação, bem como Temas de Civilização, Cultura e Artes, e é autor, entre outras obras, de "Do fim-de-século ao tempo de Orfeu", "Neorromantismo na poesia portuguesa" e "António Nobre: Projeto e destino" e "O tempo republicano da literatura portuguesa".

A obra “Introdução ao estudo de Fernando Pessoa” foi editada pela Assírio & Alvim, que, na sinopse divulgada, atestou: “Esta introdução a Fernando Pessoa percorre toda a história da escrita e as essenciais linhas temáticas da sua obra, tal como hoje é conhecida”.

Fernando Cabral Martins é professor de Literatura Portuguesa na Universidade Nova de Lisboa, autor de livros de ficção, de artigos e livros sobre a literatura e a arte portuguesas, nomeadamente “Cesário Verde ou a Transformação do Mundo”, “O Modernismo em Mário de Sá-Carneiro”, “O Trabalho das imagens”, “Julio. O Realismo Mágico”, e organizou várias edições de Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Almada Negreiros, Alexandre O’Neill e Luiza Neto Jorge, tendo coordenado o “Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português”.

Fernando Pessoa, um génio da língua portuguesa, tem sido comentado por críticos literários, filósofos, psicanalistas, sociólogos ou historiadores, e circulam a seu respeito as opiniões mais díspares. Entretanto, foi recentemente completada a publicação da sua poesia, além de revelados novos conjuntos de textos em prosa narrativa e ensaística.

O júri do Prémio Jacinto Prado Coelho foi composto por Fernando J.B. Martinho, Maria João Cantinho e João David Correia.

O prémio é entregue na próxima terça-feira, às 18:30, na sede da Sociedade Portuguesa de Autores, em Lisboa, refere a mesma fonte.