"Este tempo de espera deixa os profissionais um bocado angustiados porque não sabem se poderão ter uma TP [Tuberculose Pulmonar] ativa ou uma TP latente. Pensam também nos familiares porque podem pôr em risco os familiares", afirmou um dos profissionais que pediu anonimato.




“Era absolutamente desnecessário porque já existia um serviço de triagem e perdeu-se o único quarto de isolamento com estas características no hospital”, denunciou Nuno Manjua, do SEP.