Cerca de duas dezenas de veículos participaram este sábado numa marcha lenta na Estrada Nacional (EN) 125, entre as cidades de Portimão e de Lagos, no Algarve, em protesto contra a cobrança de portagens na Via Infante de Sagres (A22).

Promovida pelo movimento cívico Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI), a marcha lenta teve início por volta das 16:30, em Portimão, percorrendo a EN125 até à cidade de Lagos, numa distância de cerca de 20 quilómetros, em cerca de hora e meia, acompanhada de perto pela Guarda Nacional Republicana.

Em cartazes colocados nas viaturas podia ler-se: “EN125 estrada da morte? O cemitério do Algarve”, “Suspensão das portagens” e “6 anos a destruir o Algarve”.

O protesto, em que participaram cerca de 50 pessoas, foi encabeçado pelo deputado do Bloco de Esquerda (BE) eleito pelo círculo de Faro, João Vasconcelos, um dos rostos do movimento cívico que exige a revogação das portagens na A22, desde a sua implementação em 2011.

Em declarações aos jornalistas, João Vasconcelos sublinhou que a marcha lenta “é a continuidade da luta iniciada há seis anos e, pretende chamar à responsabilidade os dirigentes políticos”, nomeadamente o primeiro-ministro António Costa.

É preciso que o primeiro-ministro cumpra as promessas eleitorais que fez, de acabar com as portagens na Via do Infante”, recordou o deputado bloquista.

João Vasconcelos defende o fim das portagens na A22, uma ex-scut (autoestrada sem custos para o utilizador), como forma de “reduzir os acidentes na EN125, uma estrada que foi requalificada, embora continue com um elevado nível de sinistralidade”.

O Algarve não aguenta mais e esta tragédia que se verifica na EN125 tem de ser travada”, frisou João Vasconcelos, recordando que aquela estrada regista mais de 10 mil acidentes anualmente.

É um número elevadíssimo que é preciso travar”, defendeu Vasconcelos, sublinhando que “só nas últimas 48 horas registaram-se vários acidentes com o registo de quatro mortos” naquela via que atravessa o Algarve.

O deputado e dirigente do BE da concelhia de Portimão, assegurou que o movimento cívico "vai continuar os protestos, até que as suas pretensões sejam atendidas ou seja, até que sejam revogadas as portagens na Via do Infante".