A polícia venezuelana está a investigar o assassinato de um peixeiro português de 45 anos de idade que foi sequestrado por vários homens armados numa autoestrada do sul de Caracas.

Segundo fontes da comunidade portuguesa local, Quintinho da Costa Gomes foi sequestrado na tarde de sábado, dia 13 de julho quando circulava pela autoestrada Valle - Coche e foi assassinado apesar de decorrerem negociações entre os familiares e raptores para o pagamento de um resgate.

Uma das fontes, que prefere não ser identificada, afirmou que «no sábado de manhã, exatamente uma semana depois, a polícia telefonou para informar que estava morto, na morgue», precisando que o cadáver foi localizado, alvejado com vários tiros, na avenida Lebrún de Petare, um populoso bairro do leste de Caracas.

O português era proprietário de uma peixaria no mercado de Quinta Crespo, no centro da capital venezuelana.

Entretanto, segundo as rádios venezuelanas, a polícia deteve vários indivíduos suspeitos de participar no sequestro e assassinato deste comerciante, entre eles um antigo empregado da peixaria com quem teria tido algumas divergências.

Funcionários do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária) confiscaram uma pistola, de calibre 9 milímetros, que alegadamente teria sido usada para matar o português.

Quintinho da Costa Gomes é um dos 30 cadáveres que deram entrada na Morgue de Bello Monte, Caracas, entre a noite da última sexta-feira e domingo.