A emigração portuguesa continua em alta, apesar de estável, com 110 mil saídas por ano entre 2013 e 2014, de acordo com um estudo publicado pelo Observatório da Emigração.

Os dados divulgados pelo Observatório, em setembro, sobre as saídas totais de portugueses são estimados com base na soma de dados recolhidos em 15 países europeus, mais Angola, Brasil e Moçambique.

O número de portugueses que emigraram neste período só tem “paralelo com finais dos anos de 1960 e princípios dos anos de 1970”, de acordo com Rui Pena Pires, do Observatório da Emigração, que falou à Lusa no lançamento do estudo.

Os principais países para onde emigram os portugueses são na Europa, Reino Unido, Suíça, França, Alemanha e Espanha. Há um maior destaque para o Reino Unido, com 30 mil portugueses a preferir emigrar para aquele país, por ano.

Rui Pena Pires admitiu a 15 de dezembro, durante uma audição no parlamento, que a emigração nacional deverá "manter-se alta", mesmo depois de ultrapassada a crise.
 

"Vamos ter emigração alta, embora mais baixa que os níveis atuais, uma vez esta crise ultrapassada. Nunca iremos, nos tempos mais próximos, regressar a níveis de emigração muito baixos"


O Observatório da Emigração, criado em 2009, resulta de uma parceria entre o ISCTE e a Direção Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas.