Um homem de 39 anos morreu, nas urgências do Centro Hospitalar das caldas da Rainha, depois de uma nova falha com uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER), que esteve parada duas horas por falta de médico. A situação aconteceu na segunda-feira de manhã.

A vítima foi conduzida ao hospital pelos bombeiros, mas acabou por morrer ainda nas urgências.

De acordo com o «Diário de Notícias», que cita um médico, «a VMER do Hospital das Caldas da Rainha terá estado parada duas horas, coincidindo com este pedido de socorro, que foi entre as oito e as nove da manhã. Às oito, tinha saído um médico que tinha atividades no hospital às nove e não podia prolongar o turno. Para preencher a lacuna, houve um médico que se disponibilizou, mas que só chegou depois do sucedido».

Fonte do hospital confirmou a paragem da viatura: «Lamentavelmente, na manhã do dia 28 de abril, a VMER das Caldas da Rainha esteve inoperacional por um período de cerca de duas horas, entre as 08:00 e as 10:00, por falta de médico». Ainda assim, a unidade sublinha que «as VMER das Caldas da Rainha e de Torres Vedras, do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), desde janeiro de 2014, têm uma taxa de operacionalidade de 97% e 99%».

Na última semana, foi publicada uma portaria que define que a responsabilidade das escalas é dos diretores das urgências, que têm de garantir uma taxa de 100% de operacionalidade e substitutos. Em casos excecionais, qualquer profissional com formação do INEM pode ser chamado para integrar as escalas.