A GNR anunciou esta terça-feira ter desmantelado, em colaboração com a Guardia Civil espanhola, uma rede que efetuava furtos em Portugal, sobretudo nos concelhos alentejanos de Elvas e Campo Maior, e vendia depois o material em Espanha.

O Comando Territorial de Portalegre da GNR revelou hoje que a rede de furtos foi desmantelada depois de, na segunda-feira, terem sido identificados sete suspeitos e apreendido diverso material alegadamente furtado.

A ação policial foi desenvolvida pelo Destacamento Territorial de Elvas da GNR, em colaboração com a Guardia Civil de Badajoz, explicou a força de segurança, em comunicado.

Os suspeitos, todos portugueses e com idades entre os 20 e os 50 anos, são os presumíveis autores de furtos ocorridos em Portugal, principalmente nos concelhos de Elvas e Campo Maior, vendendo posteriormente o material em Espanha.

Três dos indivíduos, todos homens, precisou a GNR, foram identificados em Badajoz quando, numa sucateira da cidade espanhola, «procediam à venda de mil caixas de cartão e de aproximadamente duas toneladas de metais não preciosos», como «material elétrico, cobre e material ferroso variado».

Na sequência das identificações, acrescentou a Guarda, foi apreendida uma viatura ligeira de mercadorias e todo o material na posse dos homens, «que se suspeita ter sido furtado na localidade de Campo Maior».

Os outros quatro suspeitos, dois homens e duas mulheres, foram, simultaneamente, identificados em Campo Maior «no momento em que se encontravam dentro das instalações de uma empresa».

Na sua posse, referiu a GNR, os suspeitos tinham «cerca de 800 caixas de cartão e cerca de 100 quilos de metais não preciosos».

A GNR apreendeu ainda duas viaturas ligeiras de mercadorias e todo o material, o qual «já se encontrava preparado para ser transportado e vendido em Espanha».

Os indivíduos identificados no âmbito desta ação policial e que alegadamente pertenciam à rede de furtos transfronteiriços desmantelada foram constituídos arguidos, tendo sido elaborado um auto de notícia para o Tribunal de Elvas.

A operação conjunta entre a GNR e a Guardia Civil de Badajoz, na segunda-feira, representou o culminar de «várias ações de investigação» efetuadas pelas duas forças de segurança.