O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, assegurou esta quarta-feira que o Governo vai “lutar contra as dificuldades” reveladas por um estudo que aponta Portugal como o terceiro país da OCDE com mais jovens a abandonar precocemente a escola.

“Analisaremos os resultados da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] e trabalharemos também para lutar contra as dificuldades que esses rankings demonstram”, afirmou o governante, que falava aos jornalistas à margem da cerimónia comemorativa da Implantação da República, na Praça do Município de Lisboa.

Na lista dos 35 países que fazem parte da OCDE, Portugal destaca-se negativamente na análise à situação do abandono escolar em 2014, com mais de um em cada três jovens a deixar os estudos antes do tempo.

“Esta é a terceira maior percentagem da OCDE, depois do México e da Turquia”, revela o relatório conhecido esta quarta-feira , que lembra que entre os rapazes a situação é mais grave, com mais de 40% a abandonarem os estudos, ao passo que entre as raparigas a percentagem desce para 30%.

Em média, na OCDE, um em cada seis jovens entre os 25 e os 34 anos não concluiu o ensino secundário, sendo que os jovens com menos educação acabam por ser os mais atingidos pelas crises, alerta o estudo, que este ano decidiu destacar a situação dos jovens.

“Isto é particularmente verdade para Portugal, onde a maioria dos jovens, entre os 15 e os 29 anos, que ficaram desempregados tinham baixos níveis de formação académica”, sublinha o relatório "Society at a Glance 2016 - A Spotlight on Youth".

Em declarações aos jornalistas, Tiago Brandão Rodrigues destacou que o país está “em convergência com a média da OCDE”.

“Com isso também nos temos de congratular porque isso também é resultado da nossa República e do muito trabalho que estamos a fazer neste momento”, salientou, vincando que o Governo continuará a tomar medidas “para que essas diferenças que existiram durante muito tempo sejam cada vez menores, como são”.

“Temos um programa nacional para o sucesso escolar e para isso trabalhamos em conjunto com os agrupamentos, para que o abandono escolar diminua e para que todas as nossas crianças e jovens tenham percursos de sucesso escolar”, adiantou o ministro da Educação.