"Não se trata de uma questão meramente concetual, mas sim parte da convicção de que as crianças devem ser sempre acompanhadas por pessoas qualificadas", disse o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva.


"É difícil e tem sido difícil, mas também podemos dizer que a taxa de cobertura de crianças com quatro anos de idade já ronda os 80% (...). Entendemos que [a educação pré-escolar] deve ser antecipada. As crianças não nascem com três anos. A sociedade tem realidades novas. A escola não tem de resolver mas é preciso que a sociedade consiga resolver esses problemas", disse João Dias da Silva, enumerando a precariedade no trabalho, as famílias monoparentais e o trabalho por turnos.