O número de jovens matriculados no pré-escolar, ensino básico e ensino secundário diminuiu, entre 2011-2012 e 2012-2013, de 1.710.075 para 1.696.696 alunos, o que representa uma perda de 13.379 alunos nas escolas portuguesas, segundo o Ministério da Educação.

Os números constam do relatório com as estatísticas da Educação do ano letivo 2012-2013, o último ano a ter dados disponíveis, e que foram hoje divulgados pelo Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Ensino nacional perdeu quase 100 mil alunos

Pela análise dos relatórios dos anos letivos de 2012-2013 e 2011-2012, verifica-se que apenas o ensino secundário registou um aumento no número de matriculados, com todos os outros níveis de ensino a perder alunos.

O ensino secundário ganhou entre estes dois anos letivos 13.398 alunos (dos 348.434 estudantes para os 361.832), matriculados maioritariamente no ensino regular público, nos cursos científicos e humanísticos gerais.

O ensino profissional representa praticamente um terço dos inscritos no ensino secundário, com 115.885 alunos, maioritariamente matriculados em escolas da rede pública.

O ensino profissional representa, para as escolas privadas independentes do Estado, 75% dos inscritos no ensino secundário. Os privados independentes tinham, em 2012-2013, um total de 56.217 alunos matriculados no ensino secundário, 42.513 dos quais nas escolas profissionais, uma distribuição bastante semelhante ao ano letivo anterior.

O ensino secundário profissional teve um crescimento em cerca de mais dois mil alunos matriculados entre estes dois anos letivos, registando 115.885 matrículas em 2012-2013.

«O MEC lembra que este ano letivo as Instituições de Ensino Superior contam com uma nova oferta de nível superior, os Cursos de Técnicos Superiores Profissionais, com duração de dois anos, oferecidos em exclusivo pelo sistema politécnico. Estes cursos visam responder a esta crescente procura dos jovens por formações mais técnicas e mais rápidas, não deixando contudo de proporcionar um nível de formação superior e a possibilidade de prosseguir estudos numa licenciatura posteriormente», refere o Ministério, em comunicado.

Em relação aos restantes níveis de ensino ¿ pré-escolar e ensino básico ¿ a tendência é para uma descida: menos 20.896 alunos.

O 1.º ciclo do ensino básico, que este ano vai sofrer um encerramento de mais de 300 escolas da rede pública, perdeu, entre 2011-2012 e 2012-2013, um total de 12.794 alunos. O 2.º ciclo perdeu 4.369 alunos e o 3.º ciclo 3.733 alunos.

No pré-escolar a quebra do número de matriculados foi de 5.881 alunos.

«Esta realidade revela uma tendência demográfica já conhecida de todos, e que justifica uma atuação atenta e ágil dos Governos em termos de gestão do parque escolar nacional», defendeu o MEC, em comunicado.

A distribuição de alunos entre o ensino público, ensino privado dependente do Estado e ensino privado independente mantém-se praticamente sem alterações entre os dois anos letivos, com o sistema público a acolher mais de 80% dos jovens matriculados nas escolas.