O secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, João Grancho, assegurou nesta sexta-feira que a reorganização da oferta formativa nos cursos profissionais vai permitir acolher mais cinco mil alunos no próximo ano letivo, que arranca em setembro.

João Grancho falava aos jornalistas, no Ministério da Educação e Ciência, em Lisboa, no final de uma reunião com representantes da Associação Nacional de Escolas Profissionais (Anespo).

A Anespo alega que, no próximo ano letivo, haverá uma «redução significativa» do número de turmas nos Cursos Profissionais e que os Cursos de Educação e Formação não vão abrir; o que, nas suas contas, significa menos três mil alunos e 300 professores a lecionar.

A associação apontou, no final da reunião, como justificação para a diminuição de alunos, a falta de orçamento por parte do Estado para financiar os cursos (no caso particular das escolas profissionais de Lisboa) e de orientação vocacional (no caso das restantes escolas do país).

Em resposta referida pela agência Lusa, o secretário de Estado assegurou a continuidade dos Cursos de Educação e Formação e que o Orçamento não sofreu qualquer corte salvaguardando que a reorganização da oferta formativa é feita de acordo com as necessidades, com o processo de definição final do número de turmas a decorrer nos prazos normais.

Na reunião, pedida pela Anespo, esteve também o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, que delegou em João Grancho a prestação de declarações aos jornalistas.