O ministro da Educação, Nuno Crato, quer os alunos portugueses a aprenderem mandarim.
O principal idioma da China já é ensinado a 750 alunos por iniciativa do município de São João da Madeira e numa escola privada de Lisboa. Nuno Crato quer estender a oferta a mais 20 turmas do secundário público, de acordo com o “Diário de Notícias”.

"O ministério está a trabalhar num novo projeto-piloto, apoiado pelo Hanban [o equivalente chinês ao Instituto Camões], em que haverá um número limitado de ofertas de chinês mandarim em várias escolas do país”, revelou Teresa Cid, presidente do Instituto Confúcio da Universidade de Lisboa ao DN, acrescentando que "a hipótese que está a ser posta, ainda em reuniões de trabalho, aponta para uma média de 20 escolas, com uma turma em cada". Ou seja, o projeto pode abranger 500 alunos.

Ao jornal acrescenta que a disciplina, oferecida a alunos a partir do 10º ano, será opcional.

Contactado pelo diário, o Ministério da Educação admitiu a “intenção de iniciar no próximo ano letivo um projeto-piloto de ensino do mandarim em certas escolas”.

O executivo de Crato está em negociações com o Hanban (o equivalente chinês ao Instituto Camões).