Milhares de trabalhadores e dirigentes sindicais da administração pública concentraram-se hoje junto da Assembleia da República protestando contra a destruição dos serviços públicos, pela defesa dos seus direitos, carreiras e salários e contra as privatizações.

“Os trabalhadores da administração pública - central, regional e local - não abdicam de continuar a lutar pelos seus direitos, salários e pela progressão nas carreiras que lhe está a ser negada [por este Governo], pela defesa de um serviço público de qualidade e contra (…) as privatizações”, disse à agência Lusa o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.


O líder sindical que participou numa ação de luta organizada pela Frente Comum dos Sindicatos da Função Pública, ligada à CGTP, em Lisboa, que assinalou “o pontapé de saída” para a mobilização dos trabalhadores em período pré-eleitoral, mostrou-se ainda contra “a tese da municipalização que neste momento está em marcha”.

“A municipalização não é mais nem menos que tentar empurrar para as autarquias serviços para os quais não estão preparadas para responder, não porque não tenham condições para o fazer do ponto de vista técnico, mas sim do ponto de vista financeiro, para degradar a imagem serviço público e mais tarde privatizar”, salientou.


Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum dos sindicatos da Administração Pública, também marcou presença no protesto exigindo que seja qual for o Governo que vença as próximas eleições legislativas "vai ter que repor aquilo que foi tirado".