Quase 20 consumidores queixam-se todos os dias à Deco de ilegalidades «e mentiras» praticadas pelas empresas de telecomunicações para tentarem impedir o cancelamento grátis de serviços de internet, TV cabo e telefone no prazo permitido pela lei.

Para proteger os consumidores de contratarem à distância sem terem ponderado bem a decisão, a lei prevê a desistência do contrato nos primeiros 14 dias, sem qualquer penalização, desde que o negócio tenha sido feito pelo telefone ou ao domicílio, mas este período de reflexão não é respeitado pelas operadoras, denuncia a associação Deco.

«Não conseguimos saber exatamente quantas reclamações se referem aos 14 dias de resolução do contrato, mas temos a certeza que são pelo menos 20% do total» de queixas sobre o período de fidelização nas telecomunicações, disse a jurista da Deco, Carolina Gouveia, à Lusa.

Só este ano, até 21 de março, a associação para a defesa dos direitos dos consumidores recebeu 7.101 reclamações. Destas, quase 1.500 referem-se a queixas sobre o incumprimento da lei quanto aos primeiros 14 dias de resolução do contrato, resultando numa média diária de quase 20 reclamações.

Mas também o total de reclamações sobre o período de fidelização exigido pelas operadoras de telecomunicações tem aumentado nos últimos anos, de cerca de 18 mil queixas em 2012 para mais de 23.500 no ano passado.

Estas práticas ilegais acontecem «com todas» as operadoras no mercado, desde as maiores - como a ZON ou a MEO - às mais pequenas, cujos comerciais usam técnicas e informações falsas para pressionarem o consumidor a não desistir do contrato, como a ameaça de uma penalização superior a mil euros pelo cancelamento e por não cumprir «um inventado» período de fidelização.

Outra prática comum, nas queixas que chegam à Deco, é a de as lojas das operadoras informarem erradamente os consumidores de que o cancelamento do contrato só pode ser feito pelo telefone, e não na loja, por ter sido esse meio de formalização do contrato.

«Isso não é permitido. Se a loja se recusar a disponibilizar o formulário do cancelamento, o consumidor deve pedir imediatamente o livro de reclamações e fazer uma queixa. E deve entregar o pedido de cancelamento na loja e insistir que seja carimbada a sua receção», explicou, ressalvando que «o ideal» é usar a carta registada com aviso de receção para fazer o cancelamento até ao 14.º dia, contando para tal efeito a data de registo dos correios.