A SAD do Benfica nega ter sido avisada antecipadamente de quaisquer buscas levadas a cabo pela Polícia Judiciária ao Estádio da Luz, considerando ser "falsa a informação veiculada pela notícia hoje publicada pelo jornal Expresso", e ameaçando que "reagirá de imediato e pelos meios próprios contra os seus autores e cúmplices e exigirá que a gravidade destas condutas mereça a devida punição".

A Sport Lisboa e Benfica SAD reafirma que nunca recebeu essa ou outras informações sobre qualquer um dos processos que estejam em curso na Justiça e que envolvam a sua instituição ou qualquer outra", refere ainda a SAD do clube em comunicado.

De acordo com o semanário Expresso, "a "toupeira” avisou o Benfica de todas as buscas ao clube", o que teria levado o Benfica a fazer "uma espécie de “briefing” prévio aos funcionários sobre como deviam atuar durante as mesmas".

A Sport Lisboa e Benfica SAD não pode também deixar de manifestar a sua estranheza e repúdio por nessa como noutras notícias, saídas nas últimas semanas em diversos órgãos de comunicação social, serem citadas de forma sistemática pretensas fontes judiciais ou fontes da Polícia Judiciária ligadas ao processo, numa assunção clara de violação do segredo de justiça", refere ainda o comunicado.

A SAD benfiquista queixa-se ainda da "total ausência de qualquer posição por parte dos responsáveis da investigação criminal e justiça sobre estes eventuais crimes cometidos por quem, em todos os momentos e circunstâncias, deve ser o primeiro e maior garante do escrupuloso cumprimento da lei e da legalidade num Estado de Direito".

O caso E-Toupeira levou à constituição de arguido do diretor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves, além de funcionários judiciais, caso de José Nogueira Silva, o único a ter ficado detido preventivamente, sendo suspeito, segundo refere o Jornal de Notícias, de ter adulterado elementos de um dos processos que, no interesse do Benfica, espiava no sistema informático Citius.