A Polícia Judiciária apreendeu 32 quilogramas de cocaína e deteve cinco estrangeiros suspeitos de tráfico de estupefacientes, que alegadamente utilizariam Portugal para colocar a droga na Europa, usando contentores com frutas e produtos hortícolas.

A apreensão resultou de uma operação que decorreu na quinta-feira nos arredores do Porto, num armazém que servia para descarregar a droga, divulgou aquela força policial.

A revelação foi feita em conferência de imprensa, pelo coordenador de investigação criminal da secção regional de estupefacientes da Diretoria do Norte da PJ, Arnaldo Silva.

A droga estava armazenada no fundo falso de contentores frigoríficos, onde era transportado "xuxu e mandioca", e que foram "depositados num armazém nos arredores do Porto, propriedade de uma empresa unipessoal entretanto criada mas que não estava no mercado", acrescentou o responsável da PJ.

"O proprietário da empresa, um cidadão estrangeiro, foi detido em flagrante delito, enquanto os restantes quatro foram fora de flagrante delito", descreveu.

A detenção resultou da ação conjunta da unidade de combate ao crime organizado da Galiza da Guardia Civil e da PJ, "cuja intervenção ocorreu a partir de outubro de 2016", disse Arnaldo Silva, que teve a companhia na conferência de imprensa de Manuel Basante e Diego Suárez, daquela unidade em Espanha.

A mercadoria entrou em Portugal "através do porto de Leixões", sendo que a fruta importada "nunca entrou no mercado nacional", encontrando-se ainda no "armazém quando, a propósito da segunda descarga, a PJ interveio e apanhou os traficantes", revelou o coordenador.

"Estamos a falar de pessoas conhecidas na área criminal em Espanha e Portugal", disse Arnaldo Silva, sem divulgar a nacionalidade dos detidos nem o país da América Latina de onde provém a droga, "que deveria depois seguir por via terrestre, talvez em carrinhas, para o mercado europeu via Espanha".

Do mesmo modo, a PJ não divulgou o grau de pureza dos estupefacientes, agradecendo à Autoridade Tributária, através Alfândega do Porto de Leixões "a colaboração prestada à PJ" numa operação que envolveu "cerca de dez inspetores".

"Trata-se de um grupo que tem uma grande organização e onde cada um sabia o seu papel."

Em comunicado, a PJ, através da Diretoria do Norte, referiu esta manhã que as detenções ocorreram no âmbito de uma investigação conjunta com a Guardia Civil espanhola “a um grupo organizado que pretendia fazer entrar na Europa, através de Portugal, grandes quantidades de produtos estupefacientes, utilizando para o efeito o circuito comercial de importação e exportação de fruta e produtos hortícolas”.

De acordo com a PJ, os cinco homens têm idades entre os 38 e os 50 anos.