O bispo do Funchal, Dom António Carrilho, pediu hoje «atenção e respostas justas, equitativas e urgentes» para os dramas causados pelo desemprego e trabalho precário, numa altura em que considera a resposta da igreja «muito importante».

«Existem verdadeiros dramas causados sobretudo pelo desemprego, trabalho precário e baixos rendimentos e reclamam atenção e respostas justas, equitativas e urgentes», afirmou, durante a recepção de cumprimentos de Natal e ano novo por parte do clero, laicos e religiosos.

Considerou que perante o atual «contexto o papel da igreja continua a ser muito importante no campo social da ajuda fraterna», já que é uma missão comum da igreja.

O presente contexto da vida social mereceu de Dom António Carrilho uma reflexão, reconhecendo que «são muitas as dificuldades que se perspetivam no horizonte», ao mesmo tempo que exortou a um «maior empenho de quantos têm responsabilidades sociais e políticas, a diversos níveis, no sentido de se encontrarem as melhores soluções e respostas para os problemas humanos, sociais e económicos que afetam tantas famílias», afirmou.

O responsável destacou ainda a importância da família como «primeira preocupação pastoral» e recordou as comemorações da criação da diocese, pelo Papa Leão X em 12 de junho de 1514, considerando que 2014 será um ano «recheado de iniciativas pastorais e culturais sob o lema "O Espírito Santo cria unidade e envia em missão"».

O tempo «forte das comemorações será a semana jubilar de oito a 15 de junho, com duas grandes celebrações».

Primeiro, a 12 de junho de 2014 - a data da bula da criação da diocese -, depois dia 15, com «a assembleia diocesana jubilar».