A GNR entregou hoje cerca de mil peças de vestuário e de calçado, avaliadas em cerca de 25 mil euros, a sete instituições do distrito da Guarda que apoiam crianças e jovens.

Segundo o tenente-coronel Cunha Rasteiro, relações públicas do Comando Territorial da GNR da Guarda, as instituições receberam artigos que foram apreendidos por contrafação em ações de fiscalização realizadas nos anos de 2010 e de 2011.

«É a 10.ª entrega que temos no corrente ano. Entregámos cerca de seis mil peças de vestuário desde o início do ano a cerca de 25 instituições do distrito da Guarda», disse o responsável.

Cunha Rasteiro lembrou que a distribuição das peças apreendidas «decorre de uma decisão do tribunal, no cumprimento de um despacho judicial que ordena a entrega a instituições de solidariedade social de roupa contrafeita que não contenha qualquer marca ou referência, nomeadamente o logótipo ou o símbolo».

«Quando ela [a peça apreendida] vai para as instituições, vai sem qualquer tipo de marca. É assim que determina o tribunal», disse, referindo que os artigos aos quais não seja possível retirar a marca vão para destruição.

A GNR entregou hoje cerca de mil peças de vestuário (calças, camisas, polos e camisolas) e de calçado (sapatos e botas) a sete instituições de solidariedade social dos concelhos de Guarda, Seia, Manteigas, Sabugal e Vila Nova de Foz Côa.

Foram contempladas a Caritas Diocesana da Guarda, a Casa Cristo Rei (Ruvina-Sabugal), O Solar do Mimo (Seia), a Associação de Beneficência Social e Cultural de Tourais (Seia), o Instituto de São Miguel (Manteigas), a Associação Cultural e Desportiva de Valdeime (Pinhel) e o Centro Social e Paroquial de Chãs (Vila Nova de Foz Côa).

O presidente da Caritas Diocesana da Guarda, Pedro Fernandes, disse à agência Lusa que a instituição considera «sempre importante a receção de donativos» para poder responder às necessidades das famílias mais desfavorecidas da região.

«Esta oferta vem colmatar as necessidades das pessoas mais pobres», que têm dificuldade em adquirir vestuário e calçado, assumiu o responsável.

Rosa Gomes, do Solar do Mimo, em São Romão, Seia, que acolhe 12 crianças, também referiu a importância da «prenda de Natal» do Comando Territorial da GNR da Guarda.

«É uma ajuda muito boa», reconheceu, indicando que as crianças «entram na instituição com a roupa que levam no corpo».

Francelina Fonseca, do Centro Social e Paroquial de Chãs (Vila Nova de Foz Côa), disse à Lusa que as peças de vestuário e de calçado vão permitir «colmatar algumas dificuldades das famílias» que estão a ser apoiadas pela instituição.