As dívidas a fornecedores e à banca dos três hospitais dos Açores atingiu em 2012 mais de 484 milhões de euros, revela o relatório de contas das três unidades de Saúde.

Os documentos, a que a Lusa teve acesso, indicam que o Hospital do Espírito Santo, em Ponta Delgada, conseguiu reduzir o seu passivo de 273 para 271 milhões de euros, de 2011 para 2012, mas esta ligeira melhoria foi anulada pelo aumento registado nos outros dois hospitais.

O Hospital do Santo Espírito, em Angra do Heroísmo, aumentou o volume de dívidas, no mesmo período, de 115 para 131 milhões de euros, ao passo que o Hospital da Horta, na ilha do Faial, registou um crescimento do passivo de 73 para 80 milhões.

O passivo das três unidades subiu assim, num ano, de 462 para 484 milhões de euros, o que mereceu uma chamada de atenção por parte dos revisores oficiais de contas, que consideram existir uma «insuficiente cobertura dos resultados operacionais» nos hospitais dos Açores.

As três unidades de Saúde continuam a registar saldos negativos, embora em 2012 todas elas tenham conseguido reduzir substancialmente as suas despesas, em comparação com o ano anterior (23,4% no caso de Ponta Delgada, 22,6% em Angra e 71,8% na Horta).

O Hospital de Ponta Delgada terminou o ano com um saldo negativo de 36,5 milhões de euros, menos 11 milhões do que em 2011, ao passo que o Hospital de Angra baixou o resultado líquido de 28 para 21 milhões de euros negativos.

Percentualmente, foi o Hospital da Horta aquele que mais conseguiu poupar nas despesas (quase 72 por cento), baixando as suas contas de 2012 de 11 para apenas 3 milhões de euros negativos.

Na quarta-feira, também o Tribunal de Contas manifestou preocupação em relação ao setor da saúde nos Açores.

«É uma situação que vem já de algum tempo, particularmente nos três hospitais que estão em regime de EPE, que estão em falência técnica e cujos capitais próprios negativos voltaram a aumentar em 2012. A Saudaçor e os hospitais EPE representam cerca de 45 por cento do endividamento do setor público empresarial regional», referiu Nuno Teixeira, responsável pela Secção Regional dos Açores do Tribunal de Contas, a propósito da divulgação do parecer sobre a Conta da Região de 2012.

Num comunicado divulgado a 18 de outubro, o Governo dos Açores revelou que o conjunto das empresas públicas da região perderam 57 milhões de euros em 2012, atribuindo o resultado justamente ao desempenho do setor da saúde.

«Deduzindo os resultados dos três hospitais [dos Açores], o Setor Público Empresarial Regional apresentou um resultado positivo na ordem dos quatro milhões de euros», segundo o executivo açoriano, escreve a Lusa.