O veganismo é uma opção de vida que implica não comer nem usar qualquer produto feito com base em animais. O estilo de vida, que é hoje assinalado pelo Dia Mundial do Veganismo, já conquistou pelo menos 5 mil portugueses, segundo dados da Associação Vegetariana Portuguesa.
 
Patrícia Ribeiro, de 27 anos, é vegan desde janeiro de 2014, tendo passado por uma fase de transição de 4 anos. «Eu comia normalmente, mas há 4 anos saí de casa dos meus pais e fui viver com o meu namorado; como ele pensou sempre muito nos animais decidimos que íamos deixar de comer carne». Depois foi o peixe e, por último, os lacticínios e os ovos.
 
Como Patrícia é da área de ciências nunca tinha questionado a cadeia alimentar, mas depois de se informar decidiu mudar o seu modo de vida. Assim que deu início à transição, a jovem começou a ler mais sobre o assunto e descobriu factos que a chocaram. Por exemplo, soube que os produtos de limpeza e higiene são testados em animais - não só em ratos, mas também em cães, gatos e coelhos. «É algo que as pessoas não sabem e nem sequer pensam nisso», explica Patrícia.
 
A jovem descobriu que também os medicamentos são testados em animais e, além disso, são compostos por lactose, por isso muitos vegans não os tomam. Em vez disso, preferem produtos naturais à base de plantas. Apesar de Patrícia tomar medicamentos quando necessário, tenta evitá-los. Por exemplo, se tiver dores de garganta bebe chá de gengibre e, se tiver dores de cabeça, chá de camomila.
 
«É uma utopia pensar que se pode cortar em tudo. Vivemos num mundo em que é tudo à base animal e não sabemos», diz a jovem vegan.
 
Patrícia começou por obter informação através de blogues, principalmente norte-americanos e diz que, ao pesquisar na internet, é possível saber-se tudo sobre veganismo e encontrar marcas de produtos vegans. Patrícia também leu alguns livros, principalmente sobre alimentação, mas advertiu que alguns não se adaptam à realidade.
 
A TVI24 pediu para Patrícia enumerar alguns motivos que a fazem ser vegan.
 
Razões para ser vegan
1 – Amor aos animais e evitar o seu sofrimento. Impedir a exploração e morte animal.
 
2 – Tentar manter o planeta mais verde, uma vez que a alimentação vegan ajuda. A indústria agropecuária e a indústria produtora de carne são as principais poluentes do planeta, se o consumo de carne for reduzido existirá uma grande diferença na poluição.
 
3 – Ser vegan faz com que as pessoas se sintam bem com elas próprias, pensando que não é preciso fazer um animal sofrer para poder comer e ter prazer.
 
4 – É mais saudável. Por exemplo, o nível de colesterol do namorado de Patrícia, com 26 anos, estava nos 200 e passados seis meses encontrava-se nos 150.
 
5 – É bom e saboroso, faz com que as pessoas descubram mais alimentos que desconheciam e que são deliciosos.
 
6 – Colocar substâncias naturais no organismo. Não é preciso recorrer a partes animais.
 
7 – Dá mais consciência, pois o veganismo não se trata apenas da alimentação, é um estilo de vida. A pessoa fica mais consciente do que está ao seu redor e de que as suas ações têm consequências.
 
«Mas os três principais são: animais, ambiente e saúde», rematou a jovem.
 
O que comem os vegans?
Em vez de leite, usam leite vegetal, como leite de soja, arroz, amêndoa, avelã, entre outros. Utilizam manteiga à base de soja. Os iogurtes e as natas também são substituídos por produtos de soja. Em vez de mel, usam geleia de arroz, geleia de agave e xarope de ácer.
 
Quanto ao queijo depende. Por exemplo, Patrícia em vez de por queijo na pizza usa natas de soja. No entanto, já existem queijos vegetais à venda, tal como chouriços que, apesar de terem uma consistência diferente, têm um sabor parecido.
 
Para a carne e o peixe não existe um substituto principal, por exemplo, Patrícia utiliza tofu para as receitas de peixe, para as de carne utiliza seitan, lentilhas e feijão, por exemplo um dos seus pratos favoritos são os hambúrgueres de feijão preto com creme de abacate. As suas receitas encontram-se no blogue « Not Guilty Pleasure», criado porque pensa que o estilo de vida vegan é muitas vezes mal compreendido.
 
Para substituir os ovos nos bolos, Patrícia usa sementes de linhaça ou de chia, explicando que ao juntar com água libertam uma goma e fica com a consistência do ovo. O açúcar branco é substituído por açúcar de cocô ou açúcar mascavado. Com a receita de bolachas de cacau e manteiga de amendoim mostra que os doces vegans podem ser deliciosos.
 
Quando o casal vai jantar fora tenta que os amigos ou familiares escolham restaurantes que possam ter opções. Numa pizzaria, por exemplo, conseguem controlar os ingredientes e pedem para não colocar queijo. Quando frequentam outros sítios pedem sopa, saladas, pão, arroz ou massa com legumes.
 
«Está provado cientificamente que não precisamos de proteína animal para sobreviver», afirmou Patrícia. A vegan explica que basta ter uma alimentação variada para se ter todas as proteínas necessárias.
 
«Dificilmente vou voltar à carne, aliás acho que nunca mais vou comer», afirma Patrícia, acrescentando que a sua motivação, a compaixão pelos animais, não vai mudar.