A GNR registou nos primeiros seis meses do ano 112 burlas contra idosos, menos 13 face ao mesmo período de 2014, um crime que vai ser um dos temas da Operação Idosos em Segurança, que começa na quinta-feira.

Em declarações à agência Lusa, o major Paulo Poiares adiantou que a operação, que arranca no Dia Internacional do Idoso (01 de outubro), visa alertar os idosos para este crime e apelar à sua denúncia.

“Alguns idosos por vergonha, devido ao tipo de burla que são alvo, acabam por não fazer a denúncia e por isso consideramos que os dados podem não ser reais”, disse Paulo Poiares.


Em 2014, a GNR investigou 243 burlas contra idosos, tendo a maioria ocorrido nos distritos de Faro, Porto, Aveiro, Setúbal, Porto, Braga e Santarém.

“Os euros vão acabar”, o “conto do vigário”, anúncios de compra e venda, férias (casas fictícias), engano nos trocos, fraude bancária, empréstimos (dinheiro), entrega de documentos e “benza” do ouro, são os tipos de burlas mais frequentes.

Segundo a GNR, a grande maioria dos suspeitos identificados são homens em idade ativa e de nacionalidade portuguesa.

“Quando estão perante as vítimas, os burlões apresentam-se sempre com boa aparência e com uma conversa extremamente convincente e cativante”, adianta.


Em muitos casos, fazem-se passar por funcionários de “instituições confiáveis (Segurança Social, Bancos, CTT, EDP) ou por médicos para “darem credibilidade à personagem por si criada e enganarem as pessoas”.

“Quando atuam à distância”, os burlões apresentam-se como “pessoas credíveis que representam instituições conhecidas” para conseguirem obter dados para desvio de dinheiros, ou apresentam-se como vendedores de produtos em páginas conhecidas na internet, acrescenta a GNR.

A Operação Idosos em Segurança, que decorrerá durante o mês de outubro, também vai alertar para as questões de violência e dos maus tratos físicos e psicológicos.

“Vamos apelar à denúncia deste crime, criando também consciência na população para esta situação”, adiantou Paulo Poiares, sublinhando que muitas destas situações são vividas em silêncio pelos idosos.


Durante a operação, militares dos Núcleos Idosos em Segurança vão realizar várias ações de sensibilização sobre burlas, furto e violência doméstica, e distribuir folhetos informativos, um dos quais alerta para o crime de violência doméstica, afirmando “Nunca é tarde para uma vida sem violência. Peça ajuda. Denuncie”.

Em 2013, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna, 8% do total das participações pelo crime de violência doméstica referiam-se a idosos. Estima-se que muitas destas vítimas "não falam, não contactam, nem apresentam queixa junto da forças de segurança", lê-se no folheto da GNR, que acrescenta que "os laços familiares, a dependência e o medo de represálias são as razões do silêncio destas vítimas".