A consultoria de imagem, que é hoje assinalada pelo Dia Internacional da Consultoria de Imagem, está a expandir-se de ano para ano. Esta área do universo da moda, que trabalha o aspeto das pessoas, está assistir ao aparecimento de mais consultores e de cursos para quem se quiser iniciar na área.

Os consultores de imagem fazem uma análise do corpo do cliente, dos seus hábitos sociais e características psicológicas, para depois passarem à fase de mudança de visual. Essa fase engloba o vestuário, fazendo-se uma triagem ao guarda-roupa e acompanhando o cliente nas compras, mas também dicas de maquilhagem e sugestões para corte de cabelo.
 
Para que servem as consultas de imagem?
Normalmente as pessoas procuram os consultores de imagem porque têm muitas dúvidas sobre que peças de roupa lhes ficam bem, falta de autoestima e de confiança ou estão numa altura da vida em que precisam de uma mudança.

Rita Varela explica que a consultoria de imagem «ajuda na autoconfiança das pessoas. Quando gostamos da nossa imagem e gostamos do que vimos, a nossa autoestima aumenta e sentimo-nos melhor e fazemos melhor».

Para Dora Dias, a consultoria faz «com que a pessoa projete através da roupa e da maquilhagem aquilo que ela pretende, a imagem é uma forma de comunicação».

Ana Teresa Silvestre vê a consultoria como «uma ferramenta de autoestima e de nos valorizarmos, de uma forma muito prática, na forma como nos vestimos».
 
Dez dicas de imagem
A TVI24.pt pediu a estas três consultoras de imagem alguns conselhos que se apliquem a todas as pessoas.

1) Conhecer-se a si própria, perceber o tipo de corpo que tem e o que lhe fica bem. Identificar os pontos fortes e focar-se neles.

2) Perceber o que gosta mais em si, definir o que pretende disfarçar e saber quais os tipos de peça que conseguem disfarçar o que pretende.

3) Ter atenção às proporções e utilizar peças de roupa de acordo com a estatura.

4) Tentar definir um gosto pessoal e não seguir só as tendências, pois a pessoa deve utilizar o que a fizer sentir-se bem e não preocupar-se com modas.

5) Investir nos básicos, principalmente quem quiser criar um guarda-roupa novo.

6) Estar atenta, pesquisar e perceber o que gosta. A grande dificuldade das pessoas é por não olharem à volta, se o fizerem vão conseguir fazer novas conjugações.

7) Não se importar com o que os outros pensam. Experimentar o que se quer sem ter receio que sejam feitos comentários negativos.

8) Ir às compras e experimentar. Muitas vezes as pessoas só veem a roupa no cabide e não experimentam, assim não sabem se gostam.

9) Ser minimalista. As pessoas têm a tendência de quanto mais coisas têm melhor, mas só vale a pena ter no guarda-roupa aquilo de que se gosta mesmo e que fica bem na pessoa.

10) Controlar o lado emocional da compra, não se deve comprar sem pensar. É necessário uma procura assertiva e comprar de forma informada, controlando o impulso de comprar só por comprar.  

Razões para se ter uma consulta de imagem
A TVI24.pt também quis saber porque é que vale a pena investir dinheiro numa consulta de imagem.

1) Muitas pessoas têm uma imagem distorcida delas próprias, não conhecem o seu tipo de corpo e o consultor vai saber fazer a avaliação correta.

2) Sair da zona de conforto, com um consultor as pessoas vão experimentar coisas que se estivessem sozinhas não iriam usar.

3) Transmissão de pequenos truques que não se aprende nos livros nem na internet, mas que um consultor de imagem pode dar.

4) A ligação do consultor com o cliente é muito importante para se conseguir alcançar os objetivos.

5) Ter o acompanhamento de um profissional.  

O que faz alguém ser consultor de imagem?
«As pessoas que procuram a Blossom gostam muito da área da moda, isso é o que as atrai mais», explica Dora, acrescentando que é preciso ter sempre a noção de que existe uma componente humana muito forte na consultoria de imagem.
 

«Normalmente essas pessoas já são procuradas por pessoas da família ou por amigas, por isso querem aprender mais algumas técnicas e desenvolver a consultoria de imagem como profissão», disse Dora.

 
Ana Teresa Silvestre confessou que quis ser consultora porque é uma área onde existe grande relacionamento com pessoas, algo de que gosta muito.
 

«Ajudar alguém e ver a mudança de postura é o mais gratificante. É bom poder contribuir para uma maior autoestima, maior autoconhecimento e até mesmo a felicidade da pessoa», afirmou Ana.