O Tribunal Judicial de Viseu ordenou o alojamento de dois cidadãos estrangeiros num Centro de Instalação Temporária, depois de o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras os ter detido com dois passaportes diplomáticos falsificados, anunciou esta sexta-feira o SEF.

Identificados e detidos pelo SEF, os cidadãos vão ainda ser ouvidos pelo Ministério Público por alegado crime de falsificação de documentos, lê-se numa nota do SEF.

Os elementos recolhidos nesta ação «permitem configurar eventuais conexões com redes organizadas de auxílio à imigração ilegal com origem no Senegal», acrescenta a mesma nota.

«Estas ações constituem um dos objetivos estratégicos do SEF e inserem-se no planeamento de rotina do serviço com vista à dissuasão da exploração da mão-de-obra ilegal, bem como da criminalidade que lhe está normalmente associada», uma atividade que assume maior importância depois de um estudo recente da Organização Internacional do Trabalho (OIT) ter revelado que «880.000 pessoas foram vítimas de trabalho forçado na União Europeia».

Durante as ações realizadas esta semana no distrito de Viseu, para combater a imigração ilegal e crimes conexos, o SEF identificou 12 cidadãs estrangeiras e três cidadãos portugueses, «tendo recolhido depoimentos e outros indícios da prática de auxílio à imigração ilegal, angariação de mão-de-obra ilegal e lenocínio», acrescenta o mesmo comunicado.

Foram ainda detetadas três cidadãs em situação ilegal: duas foram notificadas para abandonar o território português e uma para comparecer no SEF para que este serviço avalie a possibilidade de essa mulher regularizar a documentação.